Jovens & internet: conversa clara, trato justo

Deonísio da Silva, Jornal do Brasil

“Falemos a verdade aos jovens, eles gostam da conversa clara e, em tempos de internetês, ainda antes do primeiro terço de suas vidas, estão no meio de uma selva escura, ainda mais sombria do que a de Dante, que a encontrou já homem experimentado, na metade da vida.

Com o glossário presente nas mensagens instantâneas do messenger e dos torpedos, não é possível pensar. Somente a dispensa de vírgulas e pontos já levaria ao caos a comunicação, fim principal que os usuários querem atingir. E, se restritos ao internetês, perderão via de acesso indispensável ao êxito no trabalho, no amor, nas diversões e nos entretenimentos: a capacidade de entender e de serem entendidos.

Não bastasse o conceito equivocado do novo idioma, perguntemos: o que se economiza – a economia é a regra básica da elegância e, por motivos de beleza e saúde, os jovens vivem fazendo regime – com a substituição de “não é brincadeira” por “Ñ eh brincadeira?”. “De jeito nenhum” por “Djeito nenhum?”. “Não vou correr com vocês” por “Ñ vou correr c/ vcs?”. O glossário mínimo do novo idioma abrevia hora com “hr”. Mas por quê, se já temos “h?”. “Onde” virou “ond”. “Novidade” virou “9idade”.

O sintoma: falhamos em tudo na educação dos jovens, vitimados por tantas carências, como vemos todos os dias. Comecemos a reconhecer que sequer lhes transmitimos a língua que herdamos de nossos pais e professores num tempo em que a família e a escola tinham mais atenção.

A norma culta da língua portuguesa não tem mais quem a defenda nem em legendas de filmes na televisão! A confusão é geral. E a escola deu, por atos, palavras e omissões, grande contribuição ao atual descalabro de que o internetês é um dos mais óbvios sintomas.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Ms. Antão Santor disse...

Não tenho siquer pós em linguística. Mas sei que nem o latim clássico, língua oficial da igueja, maior instituição durante mais de um milênio, se manteve como linguagem viva. Iso numa écopa que as mudanças ocorriam em séculos. Atualmente ocorrem em senanas...
A mudança das regras gramaticais, em trassição, colocam todos no mesmo nível. Quem sabia, hoje perdeu seu conhecimeno, muitas vezes conseguido queimando as pestanas numa lamparina.
A nova dinâmica nos coloca, cada vez mais, frente a frente com as mudanças.
Grandes mudanças tecnológicas impõem avanços ou adaptações...
O internetes veio para preencher uma lacuna, gostem ou não!