Bibancos: "Pasta de dente deveria estar na cesta básica"

Carolina Oms, Terra Magazine

“Você já sorriu hoje? Se a resposta é sim, sinta-se um privilegiado. Diariamente, milhões de brasileiros que aprenderam a viver com dor nos dentes - ou que simplesmente não os têm mais - são impedidos de comer, beijar, sorrir, viver em comunidade. O que o país tem feito por eles? Muito pouco.

Do desejo de denunciar essa realidade, nasceu o documentário Boca a Boca. Idealizado pelo dentista e empreendedor social Fabio Bibancos e realizado pela Divina Imagem Produções, o filme propõe uma discussão sobre a precária condição de saúde bucal dos brasileiros, o papel de governos e empresas na perpetuação dessa precariedade e o que a sociedade civil mobilizada tem tentado fazer para mudar esse cenário.

Fábio Bibancos, em entrevista à Terra Magazine conta que o projeto já mudou a vida de milhares de crianças:

- Meninos e meninas têm suas vidas transformadas após receberem tratamento odontológico que lhes resgata dignidade e condições para a inserção na sociedade. Adolescentes que se descobrem, que conseguem emprego, que mudam de bairro, que arrumam namorada.
O dentista defende a adoção de políticas públicas eficiente para a saúde bucal: "não temos uma pasta de dentes genérica que poderia ser distribuída gratuitamente em postos de saúde juntamente com escova e fio dental", protesta.

Terra Magazine: De onde surgiu a ideia e a motivação para criar o projeto?
Fábio Bibancos - Uma das questões que me levou a criar a ONG foi a necessidade de tratamento odontológico curativo urgente e imediato para jovens e adolescentes. Eu realizava palestras em escolas públicas, após o lançamento do meu primeiro livro "Um sorriso feliz para o seu filho" e ao final das palestras as mães chegavam em mim e diziam: "Entendi tudo, mas dê uma olhadinha na boca do meu filho..." Eu olhava e a situação estava precária. Aquilo me afligia muito. Já não dava mais pra ensinar a escovar ou aplicar flúor. A criança estava com dor e precisava de tratamento urgente! Há muitos projetos educativos e preventivos realizados com esse público, mas para aqueles que necessitam de atendimento e que a prevenção não mais adianta, o sistema público se mostra ineficaz e a odontologia particular se torna inacessível, portanto, comecei a atender algumas crianças em meu consultório. Mas eram muitas, então comecei a envolver amigos dentistas nessa história. Hoje a ONG tem mais de seis mil dentistas voluntários cadastrados e 12 mil crianças em atendimento.”
Entrevista Completa, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: