Para um novo ano do jornalismo literário



Urariano Mota, Direto da Redação

Nesse 31 de agosto, completa 66 anos o gênero de texto que se convencionou chamar de jornalismo literário. Informa a Wikipédía que o “seu nascimento é creditado por volta de 1946, quando a edição da revista The New Yorker, de 31 de agosto de 1946, dedicou toda a edição para publicar o que se tornaria uma das principais referências em jornalismo literário: Hiroshima, de John Hersey”. E mais diz: “um artigo da revista da Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação) mostrou o resultado de uma pesquisa com leitores. A mesma notícia foi exibida de quatro formas diferentes. Quando perguntados qual daquelas escritas eles mais gostaram, em primeiro lugar ficou o Jornalismo Literário, em último, o lead”.  

As informações da wikipedia vêm assim, meio sobre o estilo truncado. Mas boa de registro ela é, porque dão mote e nos salva do sufoco de mais uma coluna. E por isso anoto a seguir duas ou três coisas.  

Bem antes do “jornalismo literário” se reconhecia que um texto jornalístico poderia  ser grávido de poesia, e de tal maneira que não se encontrava em muitos poemas. Mas já então havia a pergunta, em trabalhos acadêmicos: - Esses textos, grávidos de poesia, seriam ainda assim um texto jornalístico? - Claro, como gênero, são poesia. Como meio, como mensagem publicada, são jornalismo, mas de uma qualidade rara, e tão rara que somente mantêm o vínculo com o jornalismo pela referência objetiva com o mundo. (O que é, reconhecemos, essa “referência objetiva com o mundo”, um outro dado complicador, pois nesses casos, de textos poéticos, há uma miscigenação do objetivo e do subjetivo de tal modo que impossível é dizer em que proporções.)

O exemplo sempre levantado, quando se fala da diferença entre escritor e repórter, é o de Truman Capote com livro A Sangue Frio. Lembra-se isso como quem joga uma carta decisiva sobre a mesa, como quem dá um golpe que é um nocaute, como quem arremete um míssil certeiro sobre o avião inimigo, como quem desmascara um cego porque este viu o azul do céu de Pernambuco. “E então, que me dizes? Eis uma reportagem que é ao mesmo tempo um relato de excelência literária”. O que não dizem, e é deixado de lado, oculto, como se fosse uma coisa menor, é que Truman Capote levou pelo menos 5 anos para escrever essa reportagem! E isso é um tempo impossível de se alcançar nas redações dos jornais, que escrevem sobre o agora com o advérbio ontem.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: