O futuro vereador Lula do Lava Jato



Urariano Mota, Direto da Redação

Lula do Lava Jato, o homem de olhos inquietos que se apresentou a mim no último domingo, eu o conheci na eleição passada. Há quatro anos,  quando escrevi sobre ele para a Carta Capital, ele possuía o nome eleitoral de Lula. Ou Lula de Ibura, na versão que a revista publicou em agosto de 2008. Naquela vez, pude ver:

“Ele seria o vereador do Ibura, se a eleição fosse por subúrbio. Quando lhe pergunto se é nascido e criado ali, ele responde: ‘Corretamente. Na mesma rua em que eu moro, eu nasci e sou criado na mesma comunidade’.”

Ele morava então com a mulher, dois filhos e a sogra em uma casinha de dois quartos. Era operário e ganhava um salário mínimo. De lá para cá, ele e o bairro mudaram para melhor. O Ibura agora tem ruas calçadas, serviço de microônibus, coleta de lixo, casas com carro na garagem. Não riam, porque não estou sendo irônico. O mundo dos bairros periféricos era muito quase sem nada, havia quatro anos. Lula também mudou, hoje é dono de um lava a jato, com pequena piscina ao fundo. Na margem da piscina, mesa com guarda-sol de praia. “O Lava a Jato foi a minha luz”, ele me fala. 

Naquela eleição de 2008, teve “321 votos, fechados”. Desta vez, a sua esperança é maior:  
    
“Espero uma votação acima de 4.500 votos. Mas na Frente Popular, com mais de 3.000  a gente se elege. Espero conseguir votos no Ibura, Jordão, Dancing Days, Roda de Fogo, Ipsep, Casa Amarela. Tenho apoio de Geraldo Júlio, da comunidade e da família. Olhe como está hoje a quantidade de carros e de motos. Quem participa tem o prêmio de lavar o carro de graça em meu lava a jato. Da outra vez fui a pé”. É verdade, eu o acompanhei, com ele a estender à frente as páginas da revista aberta na seção Brasiliana.

Da primeira vez, me surpreenderam as suas ideias para um mandato. Anotei e publiquei na revista, como uma perturbadora revelação:

 “‘3º. Item: Vamos fundar uma sede, ou mais de uma sede, para o time ou os times do nosso bairro. E nessa vai ganhar uma mobília de uma geladeira ou freezer, um fogão a gás, mesas com cadeiras, uma sinuca, uma tábua de dominó com dominó, uma televisão de 20” com antena Sky. Para jogo marcado fora do bairro fornecerei o transporte, uniforme completo, água com gelo, em todos os jogos, laranjas, cartões vermelho e verde, bola. E para cada jogo em participação em torneios um presente para cada gol marcado por cada jogador, tipo um incentivo.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: