O café esfriou na xícara

“Quase ninguém no Crato, uma cidade do sul do Ceará onde nasceu o Padre Cícero, lembra quem foi Izabel Virgínia. O nome dessa senhora e os acontecimentos que faziam do Crato a cidade mais importante depois da capital Fortaleza, dormem sob camadas de esquecimento, como os peixes fósseis sob camadas de calcário, prova de que a cidade foi um oceano no período cretáceo. A memória já não possui tanto prestígio como na antiguidade e é preferível armazená-la nos computadores.

Izabel Virgínia, uma senhora preta e gorda, que parecia estacionada nos sessenta anos, era dona de um café frequentado por políticos e intelectuais da cidade. É claro que o estabelecimento cratense nem se comparava ao Café Savoy de Praga, onde Franz Kafka costumava passar os finais de tarde. Nenhum dos nossos intelectuais se destacou no cenário mundial e os políticos não ficaram conhecidos além das fronteiras do Cariri. Mas Izabel Virgínia, para glória dos homens, fazia um doce de leite divino e uma pamonha cozida em folha de bananeira que era um supremo invento da culinária.

O café ficava numa das ruas principais da cidade, próxima ao cinema Moderno e Cassino, numa casa que servia de morada e ponto comercial, com duas águas, um pé direito acima dos oito metros, no estilo porta e janelas com sacadas, piso de tijoleiras e um corredor comprido que atravessava da sala de visitas até a sala de jantar. As mesas eram toscas, com bancos ou cadeiras de assento de couro de boi. Tudo modesto e sem brilho, despojado como a sábia cozinheira, que na maioria das vezes nem cobrava dos seus fregueses importantes.”
Ronaldo Correia de Brito, Terra Magazine
Matéria Completa, ::Aqui::

Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: