28 novembro, 2014

Confissões de uma garota de programa


, DCM

"Sempre morri de curiosidade sobre como é a rotina das garotas de programas – e, principalmente, sobre o que elas fazem de tão especial que tanto atrai os homens. Acabei encontrando uma acompanhante experiente disposta a sanar todas as minhas dúvidas. Bianca tem 27 anos e se diz satisfeita com a vida que leva. Descobri-a em um perfil do site VIP Class Acompanhantes, e fiquei impressionada em como ela foi receptiva a se abrir comigo. Aliás, não foi só isso que me impressionou: além de voluptuosa, Bianca é articulada e super inteligente.

Ela revela que a maioria dos seus clientes são homens casados, dispostos a pagar por um bom boquete, pois não têm isso em casa. Essa conversa me fez pensar que talvez falte mais prazer na casa das pessoas. Não que isso seja culpa das mulheres – provavelmente, não é. Muitas dessas esposas só devem estar cumprindo os tais requisitos de “mulher para casar”. E eles, bem, talvez só precisem variar um pouco. Porém só conseguem fazer isso, se for escondidos. Nesse sentido, procurar uma acompanhante é a opção mais segura e tranquila para sair da rotina.

27 novembro, 2014

Comece a falar “a travesti”, por favor


"O apelo é inspirado por Claudia Wonder, artista que nos deixou há quatro anos, em novembro de 2010. Mas todas agradecem 

Lino Bocchini, CartaCapital

No começo de 2010 fui recebido por Claudia Wonder em seu simpático apartamento no bairro paulistano dos Jardins para uma longa e agradável entrevista. A multiartista não escapava do mesmo tipo de desinformação que rotula como homens as mulheres transexuais. Um dos maiores ícones trans do Brasil, Claudia morreria poucos meses depois, em 26 de novembro de 2010, aos 55 anos, vítima de uma infecção.

Aquela conversa ficou gravada em minha cabeça.

Jornalistas são procurados por suas fontes após a publicação de uma reportagem pelos mais variados motivos. Comigo não é diferente. Fui procurado, em 2011, por uma artista plástica carioca citada em uma reportagem que fiz para a revista Trip especial Diversidade Sexual – aquela famosa pela capa com dois surfistas se beijando. Travesti, ela me agradeceu imensamente pelo fato de eu ter usado o artigo feminino a cada vez que me referia a uma mulher transexual, ela incluída. “Você não sabe como isso é importante para nós”, enfatizou.

26 novembro, 2014

A escolha da melhor bunda de Cambridge é um insulto às mulheres?

Mais de 50% dos votos
, DCM

"Consuelo me telefona indignada. Um amigo seu inglês, Steve, mandou a ela o link de uma votação que estão fazendo na Universidade de Cambridge.

Quer dizer: ex-amigo. Consuelo me disse que jamais voltará a falar com aquele machista canalha.

Pedi calma a ela, uma coisa realmente impossível, dada a ansiedade estridente que caracteriza Consuelo. Tenho que falar com ela com o telefone a dois palmos do ouvido, como se o viva voz estivesse acionado.

O que irritou tanto Consuelo é uma eleição promovida pelos estudantes de Cambridge. O objetivo é escolher a melhor bunda da veneranda universidade.

25 novembro, 2014

Poesia não enche barriga


Eberth Vêncio, Revista Bula

“Uma mulher que palita os dentes num restaurante não possui a menor credibilidade, muito menos merece um soneto” — pensou cheio de inconformismo, enquanto derramava café expresso no túnel esofágico. Chamou o gerente, reclamou do preço da chuleta, do atendimento do garçom, do calor que fazia ali dentro, da morena que arrancara nacos de carne presos entre os molares, do intestino solto do recepcionista, de qualquer coisa que justificasse o não pagamento da gorjeta pelos serviços prestados.

Não gostava de pagar gorjetas e ponto. Seguindo a tradição de muquirana, pagou a conta sem os 10% e pegou a rua descendo. Todos ficaram torcendo para que a avenida desse no inferno, e que aquele tipo de cliente nunca mais pisasse novamente no estabelecimento. “Nosso ódio será sua herança”— alguém brincou a rodopiar uma peixeira no ar como se fosse um índio atirador de facas.

24 novembro, 2014

Com medidas realistas e celulite, 'rival' da Barbie começa a ser vendida

Boneca tem kit de roupas inspiradas no Rio de Janeiro e em outras cidades turísticas do mundo
"O normal é bonito". Com essa ideia na cabeça, o artista americano Nickolay Lamm criou uma boneca para contrapor a tradicional Barbie.

Da BBC Brasil 

Recém lançada nos Estados Unidos, a Lammily tem medidas proporcionais às de uma jovem de verdade – e não as formas irrealistas de uma Barbie.

O artista criou, no ano passado, um protótipo de sua boneca baseado nas medidas que o governo americano considera a média para jovens de 19 anos.
 Em seguida, ele lançou uma campanha de financiamento coletivo para poder arrecadar verbas para produzi-la.

23 novembro, 2014

“Fiz aborto. Não tenho traumas. Não sou criminosa”

Publicado na tpm. A autora é Nina Lemos, e seu texto é parte de uma campanha da revista pela legalização do aborto.

"Sabia que é possível ter feito um aborto e não guarder nenhum trauma da experiência? Lide com isso. Estou aqui para provar. Tenho um monte de traumas, mas ter feito um aborto aos 20 anos não está na lista deles. Aceite.

Talvez eu não tenha trauma porque quando fiz um aborto minha familia soube e me apoiou. Eu já fazia análise. Meu namorado pagou e foi comigo. Eu descobri muito no início. Voltei ao médico depois e ela, a favor da legalização do aborto, garantiu que estava tudo bem.

22 novembro, 2014

Atualização de status: on-line para a vida


Rebeca Bedone, Revista Bula

"É domingo e a família está toda reunida. A mãe serve o macarrão feito em casa. O filho mais velho conta animado sobre a sua última viagem e distribui bebida nos copos, o pai dá comida para o cão debaixo da mesa. O filho do meio mostra a filha dele recém-nascida que desperta sorrisos emocionados, mas a tia do bebê não vê. Ela não percebe toda esta cena, pois almoça teclando em seu celular.

Uma vez entrei num restaurante e reparei que na mesa ao lado tinha três pessoas e cada uma estava compenetrada em seu smartphone. Elas não conversavam entre si. Isso me lembrou a época em que era criança e meus pais levavam meus irmãos e eu para comermos pizza. Era uma farra, e como não havia toda essa engenhoca tecnológica de hoje, nossa diversão era mesmo conversar.

21 novembro, 2014

'Casal de três' alimenta debate sobre nova família na Suécia

Erik, Linda e Hampus vivem juntos há dois anos e cuidam de seus cinco filhos
"Somos uma família de oito pessoas: mamãe, papai, papai e cinco filhos. Vivemos em um relacionamento de três adultos, no qual os três se amam".

 


A declaração feita pela sueca Linda Fridland, em um programa do canal de televisão TV4, criou uma polêmica sobre o conceito tradicional de família na Suécia, debate que também vem ocorrendo no Brasil.

Linda Fridland e o marido Erik viviam juntos havia 15 anos quando conheceram, em 2012, Hampus Engström na empresa de táxi em que trabalham. Foi quando os três se apaixonaram.

Linda e Erik já tinham quatro filhos. Hampus era pai de uma menina de três anos e se separaria da mulher pouco depois.

No início de 2014, todos passaram a viver juntos na mesma casa em Strömsund, no norte da Suécia.

20 novembro, 2014

O fastio pós-coito


, DCM

"Ouvi de minha amiga Consuelo uma queixa que me pareceu incongruente: “Lembra do Carlos? Dispensei. Ele era insuportavelmente grosseiro depois do orgasmo”. “Como assim?”, perguntei. “Vocês homens tornam-se incivilizados depois que conseguem seu orgasmo. Sobem na árvore, grunhindo para si mesmos, incapazes de dividir. “Dividir. Quantas vezes já ouvi esta palavra sair em estocadas da boca de uma mulher. Di-vi-dir. Em suma, o pobre Carlos, o fiel e dedicado Carlos, depois do orgasmo, quis assistir futebol. Nem um beijo, nem uma palavra de amor. Apenas o som frio e oco do controle remoto. Adeus, Carlos, você não quis di-vi-dir o “depois” do orgasmo.

Consuelo não é exatamente uma feminista, e a queixa, embora intelectualizada, me pareceu cheia de razão. É verdade, depois do sexo somos incivilizados: sofremos de fastio. Todos nós, homens, sofremos do fastio pós-coito. Mas por alguma razão sempre à espreita, talvez o terror antimachismo ou a política de boa vizinhança, temos de fingir que não. Disse firme para Consuelo: “Já não bastam as preliminares extensíssimas que vocês nos exigem, querem agora que fiquemos depois fazendo onda também…” Não sei se foi a palavra onda, mas o fato é que ouvi de Consuelo a seguinte frase: “Você é narcisista e egocêntrico”.

19 novembro, 2014

Toda mulher precisa enlouquecer de vez em quando, ou acaba por enlouquecer de vez


, DCM

"Curiosamente, um mundo loucamente imperfeito nos exige perfeição o tempo todo. De todos nós, de fato, mas, em se tratando de mulheres, as exigências são ainda mais exorbitantes e cruéis. O mundo espera de nós o que, talvez, sequer saibamos se é possível – e que muito provavelmente não é.

O mundo espera que sejamos bonitas, acima de tudo. Lindas, se possível.

Bem cuidadas, magras, torneadas, gostosas e sexys. E tenta nos convencer que não somos bonitas se não vamos ao salão de beleza semanalmente.

Uma mulher ‘perfeita’ para o mundo atual tem que trabalhar o dia inteiro – porque precisa ser independente – estudar – porque precisa ser culta – fazer dieta, ir à academia e manter os cabelos com um brilho espetacular. Ir à manicure, sorrir para a sogra e, depois de tudo isso, ter disposição para fazer um sexo memorável a qualquer hora, para que o mundo – e, em alguns casos, excepcionalmente o seu companheiro – a considere uma mulher que vale a pena.

18 novembro, 2014

Guia rápido para tomar o poder e manter as amizades


Eberth Vêncio, Revista Bula

“Perdi um amigo”, ele disse. Não que o dito cujo tivesse se lascado e morrido. Não era nada isso. Não que ele estivesse nalgum paradeiro desconhecido, errando de maneira insana, a esmo, sem eira nem beira. Também não. Ele apenas supunha que alguém descartaria a sua amizade. Era isso.

Ele não quis desdenhar da situação, dizer que não estava nem aí pra paçoca. Pois pertencia àquele tipo de gente cujos amigos podiam ser contados nos dedos que ainda assim sobrariam falanges. Daí o desassossego sincero, condoído, que sentia por causa do entrevero. “Nos dias de hoje, perder um amigo não é brinquedo, não é coisa que se comemore”— concluiu, mais frustrado que uma freira morta ao bater na porta do céu e descobrir que, na verdade, ele nunca existira.