Postagens

Nem o triunfo da França multiétnica será capaz de frear a xenofobia na Europa.

por Marcos Sacramento, DCM -

A vitória da seleção francesa na Copa do Mundo 2018 foi um soco no estômago dos defensores da xenofobia e das políticas anti-imigração, que viram o título mais importante do futebol nas mãos de um time multiétnico, com origens em países como Filipinas, Mali, Angola, Marrocos, Camarões, entre outros países vizinhos, ex-colônias e territórios ultramarinos da França.

A presença de imigrantes ou seus descendentes não é novidade na seleção francesa, que tem entre seus principais ídolos jogadores com raízes fora da França. Just Fontaine, maior artilheiro em Copas do Mundo, com 13 gols, nasceu no Marrocos. Michel Platini é filho de imigrantes italianos. Jean Tigana nasceu no Mali e Zinedine Zidane é filho de argelinos.

Mas no atual momento, em que a extrema-direita ganha espaço não só na França como em diversos países europeus, ver o triunfo de uma equipe composta por jogadores com sangue africano, árabe e caribenho serve como alento para enfrenta…

Em campo, o eleitor desanimado

Patrocinadora da Globo usa amianto em talco de criança

A marcha da insensatez: redes sociais estão destruindo a sociedade civil

O que os Racionais podem ensinar sobre consumo e finanças?

Se Nego do Borel queria homenagear os LGBTQ, poderia começar beijando seu ídolo Bolsonaro

Carta aos órfãos

Moro, o Napoleão de hospício

Moro fez o Brasil viver à margem da lei

Rússia: Casa Grande fica na plateia

Quebra a seleção que foi sequestrada pelo Itaú e Globo

Na terra, mar e ar, vender o Brasil, e rápido, antes que acabe!

Quantas mulheres queimarão o rosto? Gás sobe 4%!

Recomendado para Você..