Cadela, puta ou lésbica

Eliakim Araujo, Direto da Redação

“As mulheres que servem ao exército norte-americano no Iraque têm que enfrentar dois inimigos: os iraquianos , que querem matá-las, e os próprios americanos, que querem violentá-las se elas não os atendem em seus instintos sexuais. Leia o relato de Mickiela Montoya, que passou onze meses na guerra.

Montoya conta que, certa noite, quando terminava sua guarda, o companheiro que veio substitui-la lhe disse:

"Sabe de uma coisa, eu poderia te possuir agora mesmo e ninguém te ouviria gritar ou ficaria sabendo do que aconteceu".

Com presença de espírito, Montoya respondeu: "se você tentar, eu mato você com o meu punhal ".

Ela não tinha o punhal, mas daquele dia em diante passou a andar com um punhal amarrado à perna. Não para se defender dos iraquianos, mas dos próprios companheiros.

Montoya termina seu depoimento com uma afirmação que é, ao mesmo tempo, um desafio aos comandantes militares e ao próprio governo dos EUA: “Só há três coisas que eles deixam a mulher ser no exército: cadela, puta ou lésbica”.

Essa história real está narrada no livro "O soldado solitário: a guerra particular das mulheres que servem no Iraque", da professora de jornalismo Helen Benedict, da Universidade de Columbia, recentemente lançado nos EUA.

No livro, a professora reuniu os depoimentos de quarenta mulheres soldados que foram apresentados no mês de março em teatros de NY, em forma de monólogos. Das quarenta ouvidas pela autora, todas ex-combatentes no Iraque, 28 foram violentadas, agredidas ou assediadas sexualmente.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

Anônimo disse...

absurdo que quem divulga ou comenta este tipo de desmatéria seja cadela, puta ou lésbicka. Eu, de minha parte, sou mais putan que cadela. Lésbica, só com direitos exzcluzyvo$$$$ de trâzmissãoum!!!

Anônimo disse...

que putacadela e lééézbycka!!!

Anônimo disse...

caráio. A porra não acaba!!! Viva o dicsol! Ah - o dicsol é a merda que me forçaram a digitar, três nazistas e quatro getulistas meio forademoda - mais uns trezentos neonazistas. Mas esses nãoum côuntâm....

Anônimo disse...

QUE BOSTA. ESSA PUERRA NO TERMIÑA??? (*UN PORRAGUAYOBOLIVIÂNUS)