Olodum 30 anos: Por uma cultura africana não colonizada

Quando o Olodum foi fundado, no dia 25 de abril de 1979, o Pelourinho era reduto de marginalidade e prostituição, e as únicas metas do bloco eram chamar a atenção para a degradação do centro histórico de Salvador e divulgar a música, a dança e os costumes africanos. "Ao contrário da maioria dos blocos de Salvador, que veem apenas o lado comercial em seus desfiles, o Olodum leva para as ruas da cidade uma história de luta contra o preconceito e a injustiça sociais", diz a médica mineira Cinara Rodrigues, que desde 2001 desfila com o grupo.

Vermelho.org / Terra Magazine

Em 1979, o bloco-afro Olodum nasceu no coração do centro histórico de Salvador, o Pelourinho. Segundo Nelson Mendes, diretor cultural, o objetivo era celebrar a cultura africana no carnaval baiano. "Isto significou o renascimento do Pelourinho, que estava completamente abandonado pelos órgãos públicos".

- O Olodum foi o principal divulgador do Pelourinho, não só internacionalmente, com pressões para a restauração do bairro, mas também por atrair as atenções regionais para o bairro.

Ilê Aiyê é o primeiro bloco afro do Brasil. Surgiu em 1974 com o mesmo propósito: discutir a cultura africana e racial. "Esta é a semelhança entre nós", diz Nelson. E acrescenta que "grandes blocos afros valorizam a cultura africana e lutam contra o preconceito racial".

Pós-carnaval, Olodum desenvolveu seminários e exibições de filmes. As ações eram voltadas para a comunidade afro-descendente. Isto fez com que o Olodum se aproximasse do movimento negro e se transformasse em uma ONG.

"Nos denominamos afro-brasileiros por sermos descendentes africanos nascidos no Brasil", explica o diretor cultural. E acrescenta, mais do que depressa, que "queremos mostrar uma cultura africana não colonizada".
Matéria Completa, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: