O sexo dos clérigos

Tomás Eloy Martinez, The New York Times

"Quase se perdem na memória os tempos em que a Igreja Católica enfrentou desafios tão ásperos quanto os destes últimos anos.
O que acontece não tem a profundidade do cisma litúrgico do bispo Marcel Lefebvre nem o fervor revisionista na interpretação dos Evangelhos que desencadearam a Teologia da Libertação, e sim as violações de uma obrigação que não é matéria de dogma, mas de continua perturbação: o sexo dos clérigos.

Primeiro foram os delitos de pedofilia que, em dezembro de 2002, provocaram a renúncia do cardeal de Boston, Bernard Law, de quem se suspeitou de ocultação; 450 demandas milionárias por décadas de abusos contra menores deixaram a arquidiocese à beira da falência.

Agora, mais uma vez, como costuma acontecer, o escândalo surge quando vem à tona algo que se tentava ocultar: a descendência do ex-bispo paraguaio Fernando Lugo. Aqueles atos aberrantes e a aparição de três filhos gerados pelo agora presidente do Paraguai durante os seus anos de ministério colocam em dúvida o valor da repressão sexual na vida católica.

O bispo de Ciudad del Este, no Alto Paraná, Paraguai, Rogelio Livieres, disse que os seus pares sabiam sobre Lugo faz tempo.
Não sei por que se mascaram os temas da Igreja e não se ventilam. Na nossa época isso é péssimo porque "tudo se descobre no final", afirmou Livieres.

E encontrou uma instantânea refutação oficial: "O Conselho Episcopal Permanente lamenta e rejeita as expressões do monsenhor Livieres, que dá a entender que houve encobrimento e cumplicidade dos bispos do Paraguai sobre a conduta moral do então membro do colegiado episcopal, monsenhor Fernando Lugo".

As palavras de Livieres lembram às que o argentino monsenhor Jerónimo Podestá, impulsor do Movimento Latino-americano de Sacerdotes Casados, escreveu, em 1990, ao então presidente do Episcopado Argentino, cardeal Raúl Primatesta:

"Vejo com pesar que, em geral, vocês tenham uma visão bastante 'alienada' e tímida: não sabem o que pensam e sentem as pessoas no mundo de hoje. A Igreja é o Povo de Deus e vocês sabem disso, mas no fundo continuam pensando que vocês são a Igreja".
Terra Magazine / Foto CNN
Matéria Completa, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

ULISSES disse...

TODAS AS VEZES QUE O HOMEM LUTAR CONTRA AS INSTITUIÇÕES DE DEUS,VAI CONTINUAR DANDO MURROS EM PONTA DE FACA......UNIAO MATRIMONIAL ENTRE HOMEM E MULHER (É INSTITUIÇÃO DE DEUS) QUE SÓ NÃO ENCHERGA OS FARISEUS DE ROMA VÃO CONTINUAR APONHANDO ATE APRENDER A LIÇÃO.

Padre Sandro disse...

Sou padre "Católico Romano"; procuro viver meu celibato com a graça de Deus. Há eunucos por mãos humanas, outros nascidos assim e outros assim feitos por causa do Reino de Deus. Tanto quanto há homens e mulheres que se casam, há também os que se descasam e há os que nao se casam e nao se consagram a Deus... apenas vivem em estado de vida solteira. O problema não é o celibato, mas a falta de vivenciar o que se promete. Nesse problema até eu posso incorrer! Como cometem os casados que traem o conjuge. Deus nos abençoe a todos. pax!