Coisas da Política - A retórica e a prática

Mauro Santayana, JB Online

"A Igreja, a partir de Leão XIII, sente a necessidade de recuperar a mensagem evangélica de uma religião que nasceu com os pobres, para a eles servir. Leão XIII, ao escolher o título de sua encíclica Rerum novarum (das coisas novas), confessou esse propósito. A coisa nova, em 1891, era o surgimento da classe operária, como sujeito da história. Educado para participar da nobreza do Vaticano, Vicenzo Pecci fizera a carreira que quase todos os papas percorrem – na diplomacia. Em Bruxelas, como núncio, ele descobriu as lutas dos trabalhadores. Sua presença na Bélgica coincidiu com as revoluções operárias europeias de 1848. Como se tratasse de homem de ideias próprias, e de temperamento independente, o rei Leopoldo I pediu ao Vaticano que o removesse. Pio IX, o papa reinante, se encaminhava para o reacionarismo ultramontano e o retirou de Bruxelas em 1849.

Pio IX retornara à Idade Média, com dogmas difíceis de serem assimilados no século 19, como o da Imaculada Conceição e o da infalibilidade do papa. Ao sucedê-lo, em 1878, Leão XIII encontrou o mundo do trabalho e da inteligência alheios à religiosidade, e percebeu que a Igreja devia receber as coisas novas, mas lhe cabia caminhar cautelosamente. Em 1891, entendeu que era chegado o momento de saudar as "coisas novas", entre elas o movimento sindical. Mas as coisas novas já se encontravam na pregação de Cristo e de seus apóstolos: como na advertência de Tiago, em sua única epístola, de que os salários retidos dos trabalhadores clamam ao Senhor, ou a objurgatória mais dura ainda, de Isaías, contra os que decretam leis de opressão, para negar justiça aos pobres. E estava nos Atos dos Apóstolos, com a forte narração do que fora a solidariedade da Igreja do Caminho, em que todas as coisas eram em comum. Leão XIII constatou que o maior escândalo da Igreja, no século 19, fora o afastamento dos trabalhadores de seus templos. A propósito, conforme observador bem situado, a Igreja está agora perdendo também as mulheres. Tendo morrido em 1903, o grande papa não pôde influir, com sua visão social, nos movimentos seguintes. Seu sucessor, o cardeal Sarto, que adotou o nome de Pio X, retornou, desde o primeiro momento, ao obscurantismo de Pio IX. Tudo o que fizera Leão XIII foi por ele desfeito. A situação, de certa forma, antecipava a da sucessão de João XXIII e de Paulo VI – sem falar no forte relâmpago que foi o papado de João Paulo I – pelo cardeal Wojtyla. João Paulo II atuou, do princípio ao fim, para desfazer as resoluções do Concílio convocado por João XXIII. Investiu contra a Teologia da Libertação e se associou a Reagan para combater a União Soviética, no que foram vitoriosos os dois. Mas não fugiu à tradição das encíclicas sociais. Em 1991, publicou a Centesimus annus, no centenário da Rerum novarum.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: