O Amor em tempos de cólera: Lupicínio Rodrigues e Arrigo Barnabé

As canções interpretadas por Arrigo são também narrativas que tecem, simultaneamente, a compreensão do que é o amor para Lupicínio e para seu cultor. Assim, as canções mesclam revolta, indignação, sentimento de perda, mas também displicência com a amada. E humor.

Olgária Mattos, Carta Maior

“Caixa de Ódio” é a apresentação,no café-concerto Casa de Francisca, das canções de Lupicínio Rodrigues por Arrigo Barnabé com os virtuoses no piano e violão Paulo Braga e Sérgio Espíndola. Essa “caixa” é também a de Pandora, uma escultura com aparência feminina encantadora, criação dos deuses gregos e doada aos homens. Foi ela a vingança de Zeus contra Prometeu que lhe roubou o fogo sagrado. Por isso ela queimará os homens. Mas sua beleza visível contraria sua realidade secreta onde reina um temperamento devorador que “não suporta nem a mediocridade, nem a continência”, como notou o poeta Hesíodo. Resplandecente de beleza e brilho, seduz inapelavelmente os homens, trazendo consigo todos os bens e todos os males. A “caixa de Pandora”, no masculino, é uma “caixa de ódio”. E o ódio exige vingança.

As canções interpretadas por Arrigo são também narrativas que tecem, simultaneamente, a compreensão do que é o amor para Lupicínio e para seu cultor. Assim, as canções mesclam revolta, indignação, sentimento de perda, mas também displicência com a amada. E humor. O enredo então: “Cadeira Vazia” e a mulher que abandona, “Volta” e a presença da ausente, “Aves daninhas”, são “cruéis como punhais”. Ela é “Dona Divergência”, que “com seu archote/espalha os raios da morte/a destruir os casais/e eu, com o batente atingido/sou qual um país vencido/que não se organiza mais.” É preciso ter “nervos de aço”, ela provoca ciúmes, faz o sangue ferver, deixa o amante em estado de confusão mental: amor, despeito, amizade ou horror. E ela é também a traição, vai morar com seu melhor amigo.

Mas há também a revanche, de vez em quando um homem vinga todos os homens, comprometendo a amada adúltera: “ela disse-me assim/tenha pena de mim/vai embora/ele pode chegar/vai me prejudicar/está na hora/e eu não tinha motivo nenhum para me recusar/mas aos beijos caí em seus braços/pedi pra ficar/sabe o que se passou?”. E o cancioneiro se torna conselheiro dos moços, pobres moços que “julgam que há um grande futuro/só o amor nesta vida conduz/Saibam que deixam o céu por ser escuro/E vão ao inferno em busca de luz.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: