Natal: relembrando nossa vocação de sermos humanos

Maria Clara Lucchetti Bingemer, Adital

“Natal é festa de Deus entrando na história e realizando o milagre da Encarnação. É festa da Virgem Maria, dizendo SIM ao plano de Deus e ficando grávida do Espírito Santo, passando a trazer em seu seio aquele que seria o homem Jesus, conhecido como o Galileu. É a festa do amor, da aliança de Deus com a humanidade, festa da Luz e da Alegria.

Por isso mesmo é a festa que nos ensina e nos relembra que nossa verdadeira e mais profunda vocação é sermos humanos, verdadeiramente humanos, profundamente humanos. Pois somente mergulhando fundo em nossa humanidade realizamos aquilo para o que Deus nos criou: sermos imagem de seu Filho que se fez humano aprendeu a ser humano, é humano sem deixar de ser Deus.

Assim, Natal é a festa de nossa vocação: vocação de sermos humanos. Achamos sempre que ser humano é algo que não se aprende. Já nascemos assim, já somos assim, já sabemos tudo sobre o que somos. É verdade apenas em parte. Ser humano é algo que se aprende. Senão, como se explica que tantas vezes agimos desumanamente? Como entender o fato de que em tantas situações nos comportamos mais animalescamente que o mais instintivo dos animais?

São muitas as ocasiões em que, em lugar de nos humanizarmos, nos animalizamos, nos vegetalizamos. E, pior ainda, em lugar de ajudarmos a humanização do outro, o animalizamos, o desumanizamos. Toda vez que não nos abrimos à solidariedade, mas violentamente guardamos tudo para nós, nos assemelhamos ao animal que avança e morde quem quer pegar sua comida. Toda vez que usamos irresponsavelmente nossa sexualidade, nos assemelhamos aos animais que, por instinto e guiados pelo olfato, sentem o cio da fêmea e o assédio do macho e copulam por instinto, garantindo a multiplicação da espécie, mas não vivendo o amor que é entrega e doação ao outro.

A Encarnação de Deus que celebramos no Natal quer nos dizer que Deus, sem deixar de ser Deus, abre mão de suas prerrogativas e entra na carne frágil e limitada que é a nossa. Aprende a ser humano, a ser temporal, espacial; a ter frio, fome, sede, calor e sono; a cansar-se e a sentir desânimo; a ter de superar angústias e a não saber o futuro; a caminhar em disponibilidade diante de um amanhã que pode levantar-se ameaçador ou sorridente, trazer alegria ou opressão. Deus feito carne, feito ser humano, caminha na história para ensinar que ser humano é uma vocação alta, séria, que se aprende a cada dia, deixando a alteridade do outro requerer nossa atenção e nosso amor; deixando que o outro diga o que devemos fazer de acordo com suas necessidades e seus desejos; renunciando a nossas vontades e instintos imediatistas, para que o outro ocupe o espaço do nosso querer e nosso agir, através de seu rosto que interpela e constitui uma epifania.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: