2010 com Mirisola contista

"Para quem ainda não o conhece, ele e seu estilo mais do que ácido, cítrico, contudo eternamente crítico de deus e todo mundo, é uma grande chance"

Márcia Denser, Congresso em Foco

Com uma capa azul-piscina – ou pavão ou ticiano ou Caribe – talvez para combinar com as férias, Marcelo Mirisola entra em 2010 bombando com estas Memórias da Sauna Finlandesa, marcando também um retorno à Editora 34 (não que ele tenha deixado a Record, só acho que está diversificando). E para quem ainda não o conhece, ele e seu estilo mais do que ácido, cítrico, contudo eternamente crítico de deus e todo mundo, é uma grande chance poder apreciá-lo no formato “contista” – mais urgente, conciso, em todo o caso sempre crudelíssimo. Porque MM estreou em 1997 com um livro de contos, Fátima Fez Os Pés Para Mostrar Na Choperia (Estação Liberdade), hoje antológico, um marco nas letras brasileiras das últimas décadas.

Sempre em pleno exercício daquele meta-priaprismo divergente, de saída aponto “A Casa das Pedras” de longe a crítica mais corrosiva deste volume, porque sistemática, porque pontual, porque letal e sem subterfúgios: ele literalmente demole o tal arquiteto da Casa:

Caíto morreu num acidente náutico no começo dos oitenta. Foi uma comoção no mundo da arquitetura e do design interativo, ainda nos primórdios. Ele era uma espécie de guia, um farol que iluminava os colegas, e comia a mulher deles. Se facilitassem, comia as filhas e as enteadas também. Jovem, nem quarenta anos, havia sido convidado por J.J. Takaoka para implementar o que viria a ser o primeiro condomínio fechado do Brasil, o Alphaville. Se Caíto não tivesse morrido tão cedo, talvez a história dos condomínios fechados tivesse sido outra, certamente mais humana, com a natureza interagindo quase imperceptivelmente junto às grades e sistemas de alarme antipânico....(...) Mas eu dizia que Caíto era quase um profeta e sua vocação humanista estava muitos anos à frente de seu tempo, desde aquela época preocupava-se com a superlotação das cadeias, vejam só, foi ele o primeiro a idealizar cadeiões espalhados em unidades pelo interior do estado. Caito era o nosso Da Vinci na versão Balacobaco. Trinta anos depois, o mundo fashion e a faculdade Anhembi-Morumbi não puderam contar com a presença dele naquela que talvez tenha sido a data mais importante da faculdade desde sua criação. O filho de Caito, Cauã, iria se formar na primeira turma do curso de Moda. O reitor homenageou o amigo arquiteto: “Una família de pioneiros”. Tanto o reitor, como os amigos do arquiteto e os clientes, todos participavam de surubas. (...) Caíto vive em Cauã, um é a cópia do outro. Se fossem construções seriam casas geminadas: o pai projetava cemitérios lúdicos e o jovem Cauã vestiria caveirinhas anoréxicas e milionárias.
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Ciça Lize disse...

Oiii Estou adorando seus posts!!Passei pra conhecer e fiquei...rsrsr..To seguindo!
Beijuuuuuu