É nóis em Berlim

"RETA DE CHEGADA - Após quatro anos de trabalho, Jeferson De conseguiu terminar seu primeiro longa quatro dias antes da exibição na Alemanha; filme contou com colaboração de Ferréz e a bênção de Mano Brown

Primeiro longa de Jeferson De, criador do Dogma Feijoada, Bróder tem première hoje na Alemanha e projeta Capão Redondo na tela de um dos maiores festivais do mundo

Flavia Guerra, O Estado de São Paulo

"Todo maloqueiro tem em si motivação para ser Adolf Hitler ou Gandhi", canta o rapper E.M.I.C.I.D.A. enquanto o que se vê na tela é uma panorâmica do Capão Redondo, um dos bairros mais famosos e, ao mesmo tempo, esquecidos de São Paulo. "Dá para tirar este Hitler e botar um bip no lugar?", pede Jeferson De. "Por quê?", rebate o "supervisor" da trilha sonora João Marcelo Bôscoli. "Como o filme vai passar na Alemanha, acho que não vai pegar bem falar em Hitler", responde De.

O filme em questão é Bróder, que faz sua première mundial hoje no Festival de Berlim. Primeiro longa do diretor, representa o Brasil na Panorama, uma das mais prestigiadas mostras competitivas do festival que termina sábado. Detalhe: o diálogo acima ocorreu há menos de uma semana. "Que estranho saber que meu filme vai ser exibido, que o festival já começou e eu ainda não terminei!", comentou De ao Estado enquanto "apagava" o Hitler de sua história, em um estúdio da gravadora Trama em São Paulo. "Berlim vai mostrar o preto que voa e o preto que não voa, que usa bilhete único." Assim De comentou a participação de outro filme do Brasil, Besouro (o "do preto que voa", de Daniel Tikhomiroff), e do seu Bróder na mesma seção.

É de fato irônica e complementar a escolha dos dois filmes. Besouro conta a história de Besouro Mangangá, o capoeirista que desafiava as leis da gravidade e os senhores de engenho em um Brasil recém liberto da escravidão. "No Brasil de 1897, quase todos os negros ainda sem a plena consciência de sua cidadania" diz a história de Besouro. No Brasil de 2010, não se pode afirmar que essa consciência tenha evoluído muito. O negro de Bróder não voa, continua tendo de se desdobrar para conseguir sair das três "opções profissionais" para se incluir no mercado de trabalho: "Morador da perifa tem o direito de virar jogador de futebol ou bandido. Quem não "opta" por nenhuma dessas rala muito para pagar o aluguel no fim do mês", sentencia De.”
Foto: Filipe Araujo, AE
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: