O bicho da maçã

"Serra, o candidato do conservadorismo brasileiro, é um político que absurdamente aboliu a política, promovendo o auto-cancelamento"

(O político que não negocia)

Márcia Denser, Congresso em Foco

Na abertura do filme O senhor das armas, o contrabandista Nicolas Cage diz: “Atualmente nos Estados Unidos uma em cada 12 pessoas, possui uma arma. Então nosso problema é o seguinte: como armar as outras 11”? Pois é. Querer o diálogo e a paz quando o que dá lucro é a guerra – e o capitalismo de desastre é prova disto – aparentemente seria algo anacrônico num mundo que adora piadinhas desse tipo.

Contudo, numa visão superficial, embora a coisa até passe por aí – por pacifismo quixotesco, a política externa vitoriosa do presidente Lula só é vitoriosa porque implica uma estratégia extremamente hábil de longo alcance: avançar em conjunto com os grandes países do Bric (além do Brasil, Rússia, China e Índia) e pontualmente, conforme o caso e os interesses setoriais, envolver outros, no sentido de alterar a correlação de forças num mundo unipolar, obrigando a potência hegemônica, representada pelos Estados Unidos, a negociar, neutralizando seu impulso agressivo-expansivo – que não pode ser diferente desde que os norte-americanos escolheram apostar em seu estilo de vida predatório (uma vez que, numa megaescala de consumo, as antigas qualidades ianques desaparecem, ou melhor, se tornam defeitos/anomalias permanentes).

Na coluna "Serra e a direita kamikaze", já tratei especificamente de como se articula estrategicamente a política externa do governo Lula - no fundo, uma primorosa obra de relojoaria diplomática, uma coautoria assinada por Lula/Celso Amorim.

Indo ao ponto: Lula é um político hábil, um estrategista de visão, até porque inteligência nada tem a ver com kultur, com “k”, como a de FHC – sigla que Millôr Fernandes interpreta como “um grau superior de PHD”. Irretocável Millôr!. Um político por excelência no sentido amplo, como alguém que faz acordos, que negocia mantendo sua posição (isto é, a posição dos seus eleitores), que estabelece compromissos, que privilegia essa relação de dar e receber que caracteriza a essência da política. Um estadista reconhecido por especialistas e políticos do mundo inteiro, a começar por Barack “O cara” Obama e a terminar pela Otan, que também elogia seu acordo com o Irã.

Por suas características, Lula é tudo menos personalista. O ego vem em último lugar quando o que está em jogo é um país, seu povo e sua sobrevivência, inclusive no sentido histórico, sobretudo do ponto de vista geopolítico atual, quando tudo está interligado e todos dependem de todos.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: