De bomba atômica e cegueira da ambição

Edival Lourenço, Revista Bula

“O Homo sapiens sempre se sentiu ameaçado e ao mesmo tempo atraído por profecias escatológicas. Desde as religiões arcaicas até as cientológicas de hoje em dia, todas, invariavelmente, têm um viés apocalíptico segundo o qual a redenção da espécie há de passar por uma mortandade espetacular e coletiva, seguida de uma prestação de contas da vida terrena e um processo de classificação final: os bacanas serão expostos em regozijo nas vitrines celestiais e os malas lançados nos autofornos do inferno, numa tribulação radical e eterna, sob o olhar vermelho e os adornos cornoicos do capeta. A história que nos contam do dilúvio, seja o de Noé, seja o de Gilgamesh, foi apenas um ensaio, um teste da maquinaria sinistra, uma prévia do que poderá ser um apocalipse em condições pra valer.

O pensamento mágico e exacerbado sempre foi a base dessas profecias catastróficas. Um certo alopramento tem orientado todos os profetas e videntes. São Malaquias, um padre irlandês que viveu no século XI, atrela o fim do mundo com o fim dos papas. Segundo seus intérpretes mais afinados, esse Bento XVI, com seus gestos sestrosos e olhar demoníaco, seria o penúltimo da série papal. Quando este for sucedido, amigos, entraremos na esteira que leva à boca do matadouro. Várias interpretações das centúrias de Nostradamus davam o ano de 2000 como um alvo para a realização de suas previsões macabras. Um dito lapidar de origem incerta e controversa assombrou muito a minha geração de ascendência rural e religiosidade ingênua: o mundo de um mil passará, mas dois não interará. A primeira vez que entendi o que isto queria dizer, foi da boca de minha avó, que já um tanto cansada da vida bradava em tom de alívio e vingança contra todos que supostamente lhe queriam mal. Confesso que perdi o apetite e por algum tempo curti uma depressão lascada.

Exegetas bíblicos, de vários matizes, especialmente aqueles mais focados no dízimo que na salvação eterna, deram também o ano de 2000 como baliza para o desfecho da desgraceira prevista pelo Apocalipse de João. Também os segredos de Fátima, especialmente o terceiro, supostamente (porque é segredo) indicava o final o milênio como referência de um grande atoleiro, onde a humanidade enterraria sua saga.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: