A pequena burguesia "viajou" na onda da alta burguesia

Fatima Oliveira, Vermelho.org

"Adoro eleições. A aura que paira sobre elas desperta renovação de esperanças... Mas, em 3 de outubro, acordei esquisita. Adulta, era a primeira vez que não fazia boca de urna (quando criança, acompanhava mamãe). Votei cedo e fui dar plantão. Por todo o dia senti falta de zanzar pelas ruas. Amo a muvuca de dia de eleição. Minha tristeza era não estar naquilo que o sociólogo Marcos Coimbra verbalizou tão bem: "O dia da eleição é sempre diferente. Há uma mágica no ar, as pessoas se olham de uma maneira única. Talvez seja a percepção da democracia como realidade".

Sob domínio ideológico da burguesia, a democracia como realidade não é fácil de ser fortalecida e consolidada; mesmo assim, é instigante e repleta de ensinamentos. Cada dia nos reserva novos aprendizados e de vez em quando nos deparamos com enigmas da esfinge, verdadeiros e falsos - como o encantamento da pequena burguesia urbana com o canto de sereia do PV, que não tem nada de "onda verde", só demonstra que a luta de classes não acabou.

Na reta final da campanha, todas as frações da alta burguesia se mobilizaram coesas para incensar Marina para garantir Serra no segundo turno! E se valeram de outro regato para jogar água no moinho da luta de classes: o fervor religioso fundamentalista, que deu voto verde fundamentalista. Usemos de franqueza: a façanha de Marina é trágica. No fundo, e de cálculo pensado, serviu de escada para o conservadorismo e ainda canta vitória!

A explicação está em textos clássicos do marxismo sobre as "viagens" da pequena burguesia, uma classe em transição, vacilante e não confiável, desde sempre, que não compreendeu que, sufragando Marina, servia ao Serra, que não a encantava pela triste memória dos tempos FHC, pois sabe que viver sob o jugo tucano é prostrar-se de joelhos. Pobres e não ricos conscientes e ricos patriotas sabem de que fel se trata e o rechaçaram, elegendo Lula presidente duas vezes, bem ao estilo da frase lapidar de La Pasionaria - Isidora Dolores Ibárruri Gómez (1895-1989), personalidade comunista espanhola: "É melhor morrer em pé do que viver de joelhos".
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: