Desafios para os sete bilhões de superconsumidores

Editor do portal Mongabay faz uma análise do que representa a marca de sete bilhões de habitantes e alerta para os problemas que teremos que enfrentar para que as gerações futuras usufruam ao menos da mesma qualidade de vida que tivemos

Carbono Brasil

Talvez a coisa mais perturbadora sobre o Halloween este ano não são os duendes ou monstros tomando conta das ruas, mas um bebe nascido em alguma parte do mundo. A culpa não é do bebe ou de seus pais, claro, mas esta criança se tornará parte um marco artificial, porém importante: segundo a ONU, a pessoa de número sete bilhões nasceu nesta segunda-feira (31).

Isto significa que são sete bilhões de pessoas precisando, no mínimo, de água potável, comida, abrigo, remédios e educação. Em algumas partes do mundo, elas também terão um carro, um iPod, uma casa no subúrbio com jardim, animais de estimação, computadores, um cortador de grama, um microondas e talvez, uma piscina.
Apesar de raramente tratado diretamente nas políticas públicas, a questão da superpopulação é central para a sustentabilidade ambiental e bem estar humano.

A questão de quantas pessoas a Terra pode sustentar é sensível, já que acerta no centro das decisões individuais de bilhões ao redor do mundo. O que fazemos se estivermos grávidas? Queremos filhos? Qual o tamanho que desejamos para nossas familias? Ninguém quer que os outros digam quanto filhos podemos ou não ter e conversas sobre superpopulação podem implicar tais discursos.

Outros enxergam qualquer discussão sobre superpopulação como um chamado para estancar a população humana de forma que for possível, o que, claro, é ridículo. Ou condenam os defensores de misantropos, o que também é ridículo e, primeiramente, o contrário do centro da discussão.

Ainda assim, estas alegações enganosas deixaram muitos cautelosos em relação a uma das questões mais importantes da nossa época: quantas pessoas a Terra pode sustentar? E, tão importante quanto, quantas pessoas queremos? Ou ignoramos a superpopulação nos colocando em cheque. A Terra é um planeta finito; tem limites e limiares; e segundo muitos cientistas e especialistas já estamos ultrapassando muitos desses.

Atualmente, os humanos consomem o equivalente a uma Terra e meia a cada ano, segundo o relatório ‘O Planeta Vivo’ da WWF. Considerando as fontes renováveis, desde peixes até florestas e desde o carbono até a agricultura, o relatório demonstra até onde temos ultrapassado a sustentabilidade do nosso mundo. Quando a população estabilizar em 9 bilhões (ou talvez 10) em 2050, um total de 2,8 planetas Terra serão necessários se tudo continuar igual. Em outras palavras, seria preciso quase três anos para os recursos naturais se recuperarem de 1 ano de consumo humano.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: