Como se fora brincadeira de roda


Luiz Felipe Carneiro, CartaCapital

“Um dia sem chuva em Visconde de Mauá no verão é algo praticamente impossível de acontecer.

No início dos anos 80, para chegar àquele povoado localizado na divisa entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro era necessário encarar mais de 30 quilômetros de uma estrada de terra repleta de buracos do tamanho de um automóvel. E um garoto, ainda bem novo, passava todo o mês de janeiro por lá.

Um dia choveu mais que o normal. Pouco antes do almoço, uma correria para a sala. A pequena televisão, cheia de chuvisco e em preto e branco anunciava um plantão jornalístico. Seria mais alguma notícia de desabamento por conta das chuvas?

Elis Regina estava morta. O dia: 19 de janeiro de 1982.

A causa mortis ainda era desconhecida. E isso era o que menos importava. No dia seguinte, uma multidão acompanhou o féretro entre o Teatro Bandeirantes, onde Elis realizou alguns de seus shows mais memoráveis, até o túmulo 2.199, quadra 7, setor 5 do cemitério do Morumbi.

Elis Regina virava História. Era, afinal, a melhor cantora do Brasil em todos os tempos?

Pergunta dificílima para ser respondida por um país que gerou tantas grandes cantoras.

Dificílima e inútil.

Alguém pode até argumentar que Elis Regina não foi a melhor cantora do Brasil. Mas poucos vão discordar que Elis foi a cantora brasileira que mais se preocupou em colocar a Arte acima de tudo.

Desde os tempos em que, de nervosismo, espargia sangue pelo nariz antes de se apresentar no “Clube do Guri”, programa da Rádio Farroupilha, até a sua última apresentação, na turnê “Trem azul”, que aconteceu no dia 11 de dezembro de 1981, no hotel Rio Palace, na Praia de Copacabana.

Em 1974, quando Elis Regina completou dez anos no elenco da Philips, a gravadora queria presenteá-la.

A cantora poderia escolher qualquer carro, viagem ao exterior, um apartamento com vista para o mar… Não. Elis escolheu um presente do qual não abriria mão: um álbum gravado em parceria com Antônio Carlos Jobim.

Não foi fácil convencer o maestro. Dez anos antes, o nome de Elis havia sido cogitado para cantar no álbum “Pobre menina rica”, de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra. O arranjador do disco reprovou a cantora. “Esta gaúcha é muito caipira. Ainda está cheirando a churrasco”, disse.

O arranjador era Tom Jobim.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: