Amor proibido entre uma freira e um monge

Rui Martins, Direto da Redação

“Por amor a Deus, homens e mulheres isolam-se nos mosteiros e conventos de "Meteora". Mesmo assim, o filme Meteora, na competição em Berlim, mostra que o amor humano e a conjunção carnal são tentações capazes de resistir à água benta, ao incenso e aos cânticos gregorianos. Ícones, incenso, cânticos, velas e mulheres vestidas dos pés à cabeça com longos vestidos cobertos de mantas ou véus, que lembram o chador, pouco faltando para a burca muçulmana, assim é o filme Meteora, que mostra o mosteiro masculino e o convento ortodoxo feminino em Tessaly, no alto de montanhas quase inacessíveis a 550 metros de altura.

Os primeiros eremitas fixaram-se ali no século XI e mais tarde, diante da ameaça dos turcos, os ortodoxos construíram, no século XIV, um refúgio. O cineasta grego, Spiros Stathoulopoulos, filho de mãe devota grega ortodoxa, escolheu "Meteora" como lugar do encontro entre um monge grego e uma freira russa, num caso de amor proibido, mas praticado entre atos de devoção, sem a frequência que poderiam querer os pagãos.

A história de amores proibidos entre padres e freiras que fazem votos antinaturais de castidade tem como mais conhecido o casal Heloisa e Abelardo, de que se fala mesmo ter ficado grávida do seu amante proibido.

Em "Meteora", ele chama-se Theodoros e ela não tem nome, uma simples freira devota que se autoflagela queimando a palma da mão com a chama da vela, provavelmente para se purificar, não se sabe do quê, pois quase perto das nuvens e isolada do mundo pouco pecado poderia ter. Mas a tentação é grande e tanto ela como Theodoros apaixonam-se, a ponto de comunicarem nos dias de sol com os reflexos de espelhos lançados de suas respetivas janelas.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: