Sim. Deus existe

Denise Rossi, Revista Bula

“Crer ou não crer eis a questão? Meu amigo, até mesmo a descrença é uma forma de crença. Quando instalamos nossas bases em terrenos instáveis como o da fé, estamos enveredando por um caminho muitas vezes obscuro, que, em muitos casos, não tarda em flertar com o fundamentalismo. Esteja ele voltado ao teísmo ou ao ateísmo. 

Nasci em família espírita (não confundir com as religiões afro-brasileiras). Aos 14 anos impliquei com minha mãe que queria que eu fizesse primeira comunhão. E fiz. No catecismo, não concordava com nada do que a professora dizia, mas não a aborrecia. Chegou o dia da cerimônia e carreguei toda feliz a minha vela e confessei ao padre, muito envergonhada, os meus pecados de moça pura. Eu queria ser aceita no meu grupo social de maioria católica. Foi quando percebi que a religião era uma forma de sociabilização. 

Um pouco mais adiante, me converti ao Universalismo Estelar. Uma religião que eu mesma inventei. Sou fundadora, pastora e única fiel. Infelizmente, dileto leitor, mesmo que você se interesse por essa religião, o único dogma que ela carrega é permanecer para sempre individualizada em mim. Não haverá outros fiéis que não eu mesma. A espiritualidade é algo muito singular. 

No Universalismo Estelar não há outra compreensão do mundo que não o pensar e a lógica. Evidências empíricas são muito bem vindas, mas nunca analisadas de forma derradeira. Há sempre mais a aprender. Sentada em meu altar, envolta por livros, um dia me deparei com a causalidade. A relação entre causa e efeito e tudo o que envolve a sua inteligibilidade. Desde então, adotei certas posturas quanto às visões ateístas e teístas. 

Deus, para o Universalismo Estelar, é a causa primeira. Como o ônus da prova é de quem acusa, convido o leitor a pensar comigo. Veja, se todo efeito possui uma causa, qual seria a causa do Universo? Poderíamos responder “deus”. Muitos ateus perguntariam: “Mas qual a causa de deus?”, para o que a resposta seria: todo efeito tem uma causa e não toda causa tem uma causa. Partindo desse princípio, poderíamos vislumbrar uma série de características para esse “deus”, tais como: atemporal, eterno, inteligente. Quanto à questão da inteligência, como acreditar que todos os processos físicos e químicos do universo, a complexidade dos corpos, seus pormenores funcionais, a gravidade, os astros e tudo mais que nos circunda, foram todos decorrentes de um acaso, ou da sorte? “Sorte” essa que faz do processo universal um exemplo de sucesso há pelo menos 13,7 bilhões de anos. Seria preciso muita fé.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: