A assunção da classe C


André Porto Alegre, meio&mensagem

“Na detalhada análise da nova grade de programação da TV observa-se que o fenômeno da ascensão da classe C padece de um equivoco semântico, pois o desembarque no consumo não se trata de um processo espontâneo das camadas mais populares dos brasileiros e sim um projeto elaborado pelos poderes hegemônicos da comunicação nacional, portanto uma assunção.

Aos esquecidos é bom lembrar que é sutil a diferença entre ascensão e assunção e está no fato de que o primeiro processo se dá por capacidade própria. Jesus ascendeu aos céus por seus próprios meios. Enquanto na segunda situação há a interferência fundamental de um terceiro. Maria foi assumpta pelo poder de Deus. Consta que levada por anjos.

Estabelecidas as diferenças, voltemos à classe C. Para os meios de comunicação, notadamente a TV, a classe C é incapaz de ascender socialmente, mesmo que brindada com uma maior e mais igualitária distribuição de renda. Portanto necessita de uma programação recheada de situações onde prevalece a estética do mau gosto, para, por assim dizer, ser carregada.

Por isso somos bombardeados, na ficção ou no noticiáiro, com uma série de situações inusitadas que em nada refletem a vida do brasileiro comum, a não ser na cabeça dos executivos que confundem distribuição de renda e acesso ao consumo com a proliferação do bizarro.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: