Impasse e esperança nas UPPs


Mair Pena Neto, Direto da Redação

“O projeto das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) no Rio de Janeiro foi posto em xeque pelas nove mortes na Rocinha, inclusive a de um policial, o que revela que o tráfico não está disposto a ceder fácil uma das áreas mais rentáveis do seu negócio. À exceção da Cidade de Deus, as UPPs tinham se instalado, inicialmente, em comunidades menores, mais fáceis de controlar. Algumas, como a do Santa Marta, em Botafogo, parecem caminhar cada vez mais para se tornarem bairros da cidade, mas quando a ocupação chega a territórios maiores, o desafio aumenta.

A reação do tráfico de drogas na Rocinha acendeu um sinal de alerta ao projeto. O sucesso das primeiras intervenções passou à sociedade a impressão de que estava tudo dominado, quando a realidade não é simples assim. As UPPs prejudicam um negócio altamente rentável, com conexões poderosas, que vai muito além dos morros da cidade. O tráfico nas favelas é o varejo das drogas, que envolvem uma rede complexa, com gente graúda envolvida.

As UPPs não estão acabando com o tráfico, mas tentando recuperar espaços que estavam perdidos para o crime. Testemunhos de quem vive em comunidades já com as unidades pacificadoras dão conta de que muitos dos traficantes continuam lá, exercendo sua atividade criminosa, só de que de forma menos ostensiva, e, principalmente, sem as armas que intimidavam a população.”
Artigo Completo, ::Aqui::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: