Vai, Coríntia, ser Corinthians no mundo


“O campeão é como a periferia paulistana. Cansada de guerra, sabe defender-se. Vai ao ataque, mas não abre a guarda

Antonio Eleilson Leite, Outras Palavras

A conquista da Copa Libertadores da América pelo Corinthians não poderia vir em melhor hora. Não era para ser no ano do centenário; o Barcelona estava lá pra não deixar a festa completa. Sobrou para o Santos levar a pior. O destino sabe o que faz. Foi a redenção da Periferia. Itaquera está em festa! E o time do Parque São Jorge contrariou a máxima de que Deus escreve certo por linhas tortas. Não. Foi tudo retinho, linear. De 1 x 0 e 1 x 1, o Corinthians chegou lá. E para se consagrar, veio a goleada triunfante: 2 x 0. Vai, Coríntia!

Santista que sou, habituado à conquistas e glórias – a maior parte delas do passado, é verdade –, estava certo da vitória corintiana. Este time nos dá, primeiro, a segurança de que não vai perder; vencer, depende das circunstâncias. Mas atento aos erros do adversário, o Corinthians sempre acha um jeito de ganhar. E assim a Titelogia se impôs. A teoria do futebol prático. Nada mais prático do que uma teoria, já disse alguém. Vai, Coríntia!

O Corinthians é como a periferia paulistana. Cansada de guerra, o que mais sabe é se defender. Quando vai ao ataque, não abre a guarda. Põe a cara pra fora e volta rápido, se junta aos companheiros: 50 mil manos, um bando de loucos, que formam um bloco sólido e coeso na defesa do território. Subverteram a tática da padaria: atacar em massa e defender em bolo. Criou-se a tática da confeitaria: um bolo caudaloso e consistente na retaguarda e um gol, apenas um gol, como a cereja da guloseima. Vai, Coríntia!

Tite é um caretão. Gaúcho de Caxias, sujeito conservador e religioso, parece um padre. Sua indumentária é muito semelhante à batina de um sacerdote católico. Na quarta-feira do título, estava todo de preto. Sujeito chato, não faz preleção, faz pregação. Adora livro de auto-ajuda e convida o Padre Marcelo para celebrar missa na concentração. Mas o cara sabe das coisas. Isso, agora ninguém pode negar. Entrou para o panteão dos técnicos consagrados: Murici, Luxemburgo e Felipão. Vai, Coríntia!”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: