Mulheres lutam contra a segregação ultraortodoxa

“Após apresentar a primeira demanda coletiva por discriminação de gênero, uma organização religiosa de mulheres de Israel pretende que sejam protegidos os direitos femininos na esfera pública do país


Jillian Kestler-D’Amours, da IPS-Envolverde / Revista Fórum

Após apresentar a primeira demanda coletiva por discriminação de gênero, uma organização religiosa de mulheres de Israel pretende que sejam protegidos os direitos femininos na esfera pública desse país. “É uma forma de deter o fenômeno”, explicou à IPS a assessora legal Riki Shapira, integrante da Kolech, primeira organização judia ortodoxa de mulheres do país. “Costumamos falar de discriminação contra as mulheres e nada acontece. Esperamos que, quando as pessoas compreenderem que é algo que vai lhes custar muito dinheiro, as coisas mudem”, acrescentou.

A Kolech apresentou, no dia 29 de agosto, uma demanda no valor aproximado de US$ 26 milhões contra a Kol Berama, uma rádio ultraortodoxa de Jerusalém. Na apresentação alega que essa emissora discrimina as mulheres ao proibi-las de participar de todos seus programas. “É um tema muito simbólico. É sua voz na emissora e no mundo. Ninguém as vê e ninguém as ouve”, alertou Shapira.

Como resposta, a Kol Berama pediu às demandantes que respeitem “as crenças e a visão da maioria da comunidade ultraortodoxa, homens e mulheres por igual”, informou o jornal The Jerusalem Post. Contudo, não há consenso dentro da comunidade ultraortodoxa, ou jaredi, que constitui 10% da população israelense, quanto à decisão da emissora de deixar as mulheres fora da programação.

Moshe, um homem de 37 anos, integrante da comunidade que não quis dar seu verdadeiro nome, afirmou à IPS que é contra a discriminação de gênero. “A rádio não dá voz às mulheres embora elas sejam o tema sobre o qual se fala. É uma vergonha serem silenciadas”, acrescentou. “Há muitas vozes diferentes dentro da comunidade jaredi. Não pretendo saber quantas pessoas pensam desta ou daquela forma, mas sei que muitas concordam comigo”, ressaltou.

Originário de Jerusalém, Moshe disse que os direitos das mulheres pioraram, em grande parte porque as pessoas se tornam mais religiosas e há grupos extremistas que tratam de controlar a comunidade ortodoxa. “As mulheres deveriam ter os mesmos diretos que os homens”, afirmou. De fato, houve muitas denúncias de discriminação de gênero em Israel nos últimos meses.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: