Quando a periferia fala

Omar Sy e François Cluzet em cena de ‘Intocáveis’


 Matheus Pichonelli, CartaCapital

“Lembro do desfecho daquela história toda vez que, no fim do ano, grupos armados de boa vontade pegam crianças das favelas pelos braços e as levam a conhecer os lugares mais bem frequentadores das grandes cidades. Algo como: “vamos catequisar as feras levando-as para conhecer a ópera”. Nada contra as boas ações, mas imaginar a cena seguinte é inevitável: câmeras desligadas, logo os frequentadores habituais, espanadores em mãos, saem a limpar os resíduos tóxicos da invasão. Tudo, por fim, para me lembrar de um amigo, apelidado não por acaso de “Feio”, que, na adolescência, teve a ousadia de esperar um outro amigo em frente à loja mais sofisticada da nossa cidade. Saiu de lá algemado por parecer um “elemento suspeito”. Era a materialização, na vida real, de um mundo que nos era apresentado por uma velha música do Zé Geraldo sobre o pedreiro que constrói prédios que jamais poderá frequentar. “Hoje depois dele pronto/Olho pra cima e fico tonto/Mas me chega um cidadão/E me diz desconfiado, tu tá aí admirado/Ou tá querendo roubar?”

Pela música, pela tevê ou pelos fatos da vida, aprendíamos cedo que existem lugares que, embora de portas abertas, só podem ser frequentados por determinados grupos – e um passeio por universidades, redações jornalísticas ou cinemas pode ser revelador sobre nosso conceito de “minorias”.

Mas o mundo é um pouco mais complexo do que gostariam os higienistas de primeira ordem. Os muitos mundos dentro da mesma cidade se tocam, se penetram, se intercalam. Assim, uma curva malfeita no Morumbi pode dar em Paraisópolis, assim como o passeio pela Barra da Tijuca é serpenteado pela Rocinha. O contraste pode ser escondido no cartão postal, mas grita ao redor dos umbigos mais bem agasalhados.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: