A valorização da virgindade

Mearaldo Zisman, Direto da Redação

"Segundo o psicologista Paul Bloom, nascido em 1963, e autor do livro How Pleasure Works, o termo virgindade aparece, nada menos, do que setecentas vezes, no Antigo Testamento, e ocupa lugar ainda mais central no Cristianismo, com o suposto nascimento virginal de Jesus.

Não cabendo ao cronista discutir assuntos ligados ao transcendente, ressalto um fato que a mídia destaca hoje: o leilão terminou e o lance vencedor atingiu 780 mil dólares, pelo direito à primeira noite com a catarinense Catarina Migliorin (foto)i. Como se trata de psicoginecologia, eu tenho todo o direito de dar a minha opinião. A fêmea humana deixou de anunciar o seu período fértil, como o faz a maior parte das primatas, ficando muito mais difícil, para o macho, ter a certeza de que o filho que ele criará é, mesmo, seu.

Uma maneira utilizada para aumentar as chances de as crianças serem legítimas era copular, preferencialmente, com mulheres virgens. Antes, porém, de maldizer o processo que levou a fêmea humana a esconder a ovulação, gerando milênios de opressão, é bom lembrar que a ocultação do estro resultou no sexo recreacional, e na formação de relações duradouras, entre homens e mulheres.

Se esconder o cio era válido no Pleistoceno (época geológica que começou há cerca de um milhão e setecentos e cinquenta mil anos, e terminou, aproximadamente, há dez mil anos), não faz mais nenhum sentido, no mundo moderno, em que a mulher pode controlar sua fertilidade, e existem exames de DNA à disposição dos homens mais desconfiados, dar tanto valor àquela pequena membrana.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: