Segredos jamais revelados da minha intimidade com as gêmeas siamesas Lucy e Sky

Eberth Vêncio, Revista Bula


“Lucy in the sky with diamonds”
(Lennon e McCartney)

“Jamais pensei que isto pudesse acontecer comigo, até que um dia...”. Conto erótico que se preze tem que ter esta frase como preâmbulo, o qual prepara os leitores punheteiros para uma estória picante, incrível que, sinceramente, pode acontecer a qualquer um, a qualquer hora do dia ou da noite, em qualquer recôndito lugar deste planeta onde haja, ao menos, dois seres humanos presentes no recinto.

Vocês sabem: as oportunidades para o sexo casual se nos apresentam desta forma, conforme descrito com propriedade nos episódios reais ou inventados, a respeito de experiências sexuais impressionantes, inusitadas e inesquecíveis, ainda que nenhum protagonista jamais se submeta a um “mea culpa”, uma reflexão sincera do pós-love.

Muito menos são revelados os vacilos das incontáveis enfermidades sexualmente adquiridas, que vão desde um simples piolho sugando a genitália infecta até o vírus da AIDS e, pior que tudo, quase ninguém se gaba pelas gravidezes indesejadas. No fundo, no fundo, todos se julgam um bocado desejáveis (e espertos também). Mas o texto a seguir não se trata de um conto e, muito menos, é erótico. Lamento, profundamente (como a uma garganta), se decepcionei alguns tantos leitores ao criar falsas expectativas com o título espalhafatoso. Na verdade, eu prefiro as crônicas empata-fodas.

Foi assim: conheci as irmãs gêmeas siamesas Lucy e Sky na República das Filipinas. Uma baita coincidência, considerando que, na minha terra, no interiorzão do Brasil, chamamos de filipinas as bananas que crescem pregadas entre si, como se fossem também siamesas, frutas xipófagas eu ousaria dizer.

Recapitulando: são denominados siameses (ou xipófagos) aqueles gêmeos que nascem colados entre si, unidos por alguma parte do organismo, ou desfrutando órgãos em comum, resultado desastroso da divisão incompleta e anômala de uma gravidez homozigótica (ora, vá você buscar um dicionário de termos médicos!). 

Tal incompletude perpetrada nas entranhas maternas haverá de provocar resultados danosos, antiestéticos, os mais variados. A fusão bizarra (ou a cisão frustrada) dos gêmeos idênticos pode ocorrer por qualquer segmento do organismo, condenando estas criaturas a um aprisionamento corporal nem sempre factível de conserto pelas mãos hábeis dos cirurgiões pediátricos.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: