O tempo em que Tostão valia mais do que Pelé


Para mim não havia dúvida: Tostão era melhor do que Pelé. Até que Pelé tinha seu valor: fazia jogadas insinuantes e era quase infalível na área. Mas Tostão era maior do que ele, pelo menos no meu time de futebol de botão. Pelé era uma "vidrilha", isto é, uma tampa transparente de relógio de pulso transformada em goleador. Tostão, por sua vez, era um botão de galalite brilhante, amarelo. Para compensar o perna-de-pau que eu era em campo, tornei-me um exímio jogador de futebol de botão. O artigo deste sábado (26) na coluna “Deixa Falar: o megafone do esporte” é de Marcos Alvito

Redação, Carta Maior

Deixa Falar: o megafone do esporte espaço de debates que sai quinzenalmente, sábado sim, sábado não, aqui na Carta Maior, no blog do Juca e no Literatura na Arquibancada, debatendo o esporte em geral e o futebol em particular, dialogando com a História, Política, Música, Economia, Literatura, Cinema, Humor, apresenta nesta sua quinta edição artigo de Marcos Alvito.

O tempo em que Tostão valia mais do que Pelé

Marcos Alvito*

Para mim não havia dúvida, era fato incontestável: Tostão era melhor do que Pelé. Até que Pelé tinha seu valor: fazia jogadas insinuantes, penetrava com facilidade nas defesas e perto da área ou dentro dela era quase infalível. Mas Tostão era maior do que ele, pelo menos no meu time de futebol de botão. Pelé era uma "vidrilha", isto é, uma tampa transparente de relógio de pulso transformada em goleador. Por ser transparente, ficava bonito ver a cabecinha de Pelé recortada do jornal e devidamente colada no "meu" jogador. Tostão, por sua vez, era um botão de galalite brilhante, amarelo. À época eu nem pensava como se fazia o galalite, mas pesquisando descobri que o precioso material é um derivado, vejam só, do leite. São necessários de 15 a 85 galões de leite para fazer um miserável quilo de galalite. É claro que isso me faz lembrar a antológica frase de Gentil Cardoso tentando convencer seus jogadores a praticarem o jogo rasteiro:

“A bola é de couro, o couro vem da vaca, a vaca gosta de grama, então joga rasteiro, meu filho”

Com o devido respeito, o galalite vem do leite, o leite vem da vaca... e não há jogo mais "rasteiro" do que o futebol de botão: a bola só alça voo, normalmente, nos chutes, de resto os passes são colados à "grama".
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: