Quando as mulheres tiram a roupa na internet.


“Marcelo Carneiro da cunha, Terra Magazine / Zagueiro

Estimados foliões, aaaaô a todos. Cá na Mansão Carneiro da Cunha, onde Momo jamais pisou ou reinará, e samba no pé ou rebolados de quaisquer espécie são forças desconhecidas, carnaval sempre foi e sempre será, uma abstração.
Mas no mundo aí fora ele existe, e como. De Salvador me informam que a dança desse ano envolve uma falsa loira, uma garrafa e litros de gel. Os relatos de Olinda me informam que o Homem da Meia Noite, do Meio Dia, ou da Madrugada, agora me confundo, sairá, com sempre, como se isso fizesse alguma diferença para sulistas-sudestistas sem a menor vocação pra festejar o maior show da terra.

Do Rio fico sabendo que a farra vai rolar no camarote da Devassa, o que aliás, não parece menos do que a obrigação, – e tudo, tudo, tudo segue na mais santa normalidade.
Ah, e em todos, todos eles, vejo sem nem precisar olhar, vai sobrar mulher em trajes sumários, sumérios, ou uma dessas antiguidades.
Isso, estimados leitores, já é notícia antiga.

O carnaval, ao menos no que ele se transformou, é a festa da carne. O carnaval também é uma festa masculina, ou, pelo menos, criada e roteirizada por homens. Nele, as mulheres são uma parte importante, fundamental, essencial, mas coadjuvante. O papel que elas desempenham não foi criado por elas e a fantasia que elas realizam, e por isso os trajes, por mais prazerosa que possa ser para todos os envolvidos, é masculina.”
Artigo Completo, ::AQUI::
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: