O difícil caminho da fé


Leila Cordeiro, Direto da Redação

Muitos católicos ao serem perguntados sobre sua religião, respondem naturalmente: -“Sou católico...não praticante”. Mas como é isso? Ou a pessoa reza numa determinada cartilha religiosa ou não,  acredita em alguma coisa ou não.  Não ser praticante de uma religião é como se não a tivesse.

Talvez isso explique o número cada vez menor de católicos pelo mundo. A tal ponto que, na França, estão hoje à venda 43 igrejas católicas, de acordo com pesquisas das imobiliárias especializadas em vendas de templos. Segundo os corretores, isso de deve não só à criise, mas também à falta de doações em consequência da diminuição de fiéis.

De uns dez anos para cá, a situação da igreja católica só tem se agravado. As milhares de denúncias de pedofilia e abusos sexuais se sucedem numa velocidade assustadora, em total contramão da fé que deveria reger a formação e a dignidade desses religiosos que se aproveitam de sua condição “idolatrada” pelos paroquianos para fazer valer seus mais torpes e degradantes impulsos.

E aí vem aquela pergunta que não quer calar. Por que esses padres que aceitaram o celibato como dogma para toda a vida em seus juramentos,  simplesmente não deixam a batina ao sentirem que estão se desviando do caminho proposto pela religião ou que a tentação carnal começa a incomodar?
A resposta pode ser mais dura e ferina do que se pode imaginar. Esses religiosos,  que tanta decepção e vergonha levam a seus superiores e colegas de fé que seguem os mandamentos do celibato com diganidade, nada mais são do que pessoas com problemas sérios e desvios de comportamento, como qualquer outro desequilibrado sem batina, mas com a mesma maldade dos que se escondem atrás dela.

A renúncia do Papa foi,  sem dúvida,  a gota d’água para que o copo transbordasse todo o pecado existente em muitos confessionários e clausuras religiosas espalhados ao redor do mundo. A máscara de uma instituição que precisa se renovar caiu. A realidade é uma só. O planeta mudou, as regras hoje são diferentes, o que era proibido virou politicamente correto e o que era politicamente correto, em muitos casos, virou desnecessário.

Talvez o celibato esteja entre eles. Não estaria na hora da igreja rever seus mandamentos rígidos para um ser humano comum e mortal como qualquer outro? Sem querer desculpar os transviados, mas defendendo aqueles que devem sentir seus desejos e terem impulsos humanos, não seria conveniente liberar o casamento, pura e simplesmente, entre duas pessoas que podem e têm o direito de amar e se relacionar através também da carne?

Afinal, as evidências estão aí. Por que insistir numa proibição carnal, quando milhares já mostraram que esse mandamento termina desobedecido em nome do desejo incontrolável por sexo? E aí está a prova de que tudo que é proibido ao extremo, sem equilíbrio, pode causar sérios desvios de comportamento, como os relacionamentos condenáveis e desprezíveis entre padres e fiéis, envolvendo covardia, abuso de poder e até ameaças por parte dos religiosos que preferem manter sua aparência cristã ao assumir que são, na verdade, mundanos e até criminosos.  Isso tudo, sem contar os casos que não vieram à tona talvez por conveniência da própria igreja ou porque as vítimas têm medo de se expor.

O Papa se vai e deve estar levando muitos segredos na alma e quem sabe até arrependimentos por não ter tido a coragem de lutar contra os desvios de tantos, naquela que escolheu como sua doutrina. Sua renúncia, até agora, não significou esperança para os milhões de católicos que ainda crêem que há salvação para sua religião.

Que venha o próximo Papa, mais compreensivo e principalmente com a cabeça voltada para as transformações do mundo, incluindo em sua jornada uma cruzada em favor da abertura para o casamento de padres e bispos, na tentativa de, ao fazê-los mais humanos, possam trilhar verdadeiramente os  caminhos da fé, do qual tantos se desviaram.”
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: