De marcha à res




“A expressão “mulher-objeto” surgiu na Europa, com as precursoras do feminismo, lá pelo final do século 18 e visava-se a denunciar a condição relegada à mulher pelo machismo. A mulher considerada apenas por ser bonita, a mulher-enfeite, a mulher como adorno da casa do homem, como uma alfaia de cômodo. Pouco mais que um abajur ou um vaso de flores de plástico.

A expressão ficou meio que adormecida no limbo intelectual, restrita aos filósofos e ao ambiente das academias. No entanto, com a disseminação do feminismo na segunda metade do século 20, que inventou teorias de gêneros e queimou sutiãs em praça pública, a expressão “mulher-objeto” caiu no gosto dos psicólogos, dos cronistas e redatores. Ganhou as páginas dos jornais, os ciclos de conferências oficiais, os debates de rádio, televisão, os lares e, sobretudo as discussões abiloladas dos botequins.

A expressão derivou para homem-objeto, sociedade-objeto e outras mais. Qualquer palavra seguida do substantivo adjetivado “objeto” tornou-se um depreciativo, um designador genérico de alguém ou algo que perdeu a essência, para se tornar apenas aparência e casca.

Desde os anos 70 do século passado, tenho lido aqui e acolá que estamos vivendo uma sociedade que empreendeu uma trajetória ignóbil, anti-civilizatória, da essência para a aparência, do ser para a coisa, da pessoa para o objeto. Ou seja, estamos numa dinâmica de marcha à res. Res aqui no Latim, no sentido de coisa em oposição ao ser. O prefixo da palavra REPÚBLICA (res pública), coisa do povo, como deveriam ser de fato todos os bens geridos pelo governo, em que o monte é feito pelo sacrifício de muitos, mas serve apenas ao interesse de meia dúzia.

Se observarmos bem, essa tal marcha do ser para a coisa, da essência para a aparência, do sujeito para o objeto já ganhou uma dimensão epidêmica, patológica, global, excedente em todas as suas possibilidades, a tal ponto que acho até que poderíamos dar uma nova qualificação ao senso social dominante.

Talvez já estejamos vivendo uma condição de mulher-dejeto, de homem-dejeto, de sociedade-dejeto. Isso porque o mercado nos transformou a todos em objetos de seus negócios. Hoje ninguém se orgulha de ser pessoa, mas de ser consumidor, o intestino grosso de um sistema de produção sem limites com uma descartabilidade desaforada. O que é paradoxal, pois estamos num planeta de capacidade limitada, tanto no tocante ao fornecimento de recursos naturais, quanto à capacidade de absorção de nosso lixo. O planeta vai se transformando em aridez e monturo.

No entanto o que mais nos caracteriza como sociedade-dejeto é a relação do povo com seus representantes políticos. No fundo, aqueles que se apresentam como pretendentes a ser nossos representes nos escalões do poder nos veem apenas como dejetos, como estrumes, estercos que adubarão suas candidaturas com votos, que lhes concederão mandatos que darão acesso às benesses da república transviada, que lhes permitirão agir sob o escudo de suposta legitimidade.

A sociedade-dejeto seria assim uma espécie de sucedâneo, um estágio mais adiantado da sociedade-objeto, num processo evolutivo. Evolutivo, porque até a regressão é evolução quando se trata do processo civilizatório. Uma sociedade avançando, em desabalada carreira, de marcha à res.”
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: