Estão lixando a nossa alma enquanto a gente se diverte



“Nosso processo civilizatório vem se dando ao longo dos séculos numa relação de dominadores e dominados (a elite sobre a massa) com maior ou menor grau de arrocho. Há, num extremo, momentos de relativa liberdade e democracia e no outro o domínio ditatorial e até mesmo de escravidão, a tal ponto de um ser humano se submeter ao outro e se tornar coisa ou semovente. No Brasil colonial houve até o chamado Imposto sobre Venda de Seres Humanos. 

Uma das mídias mais persistentes e poderosas da história da civilização ocidental é sem dúvida a Bíblia Sagrada. Dela constam vários momentos de submissão extrema de um povo a outro, como é o caso do Cativeiro da Babilônia. Os judeus (povos do Reino de Judá) foram vencidos pelas tropas de Nabuconodossor II e levados para a Babilônia e ali serviram por 70 longos anos, como escravos. As primeiras gerações que nasceram no desterro morreram sem conhecer a liberdade. Foram nesse período reduzidos à condição de objetos de venda e troca. Coisa que se pode usar, abusar e dispor. Vivendo em condições humilhantes, todo mundo era mão de obra cativa e até objeto de degustação sexual. Sobretudo as mulheres e as crianças. Pedofilia não é uma invenção dos padres  do pós-revolução sexual.

Mas os judeus, detentores de elevada auto-estima, identidade cultural e uma crença inabalável de que Jeová haveria de retirá-los do jugo babilônico e devolvê-los ao antigo reino, criavam problemas de subversão a seus opressores. A estratégia dos babilônicos foi conceder uma parcela do poder de araque aos judeus. Assim, um dos supostos líderes dos escravos, um certo Zedequias , foi nomeado Rei Vassalo, para ajudar no controle dos escravos mais nervozinhos.

Há muitas formas de uma turma, mais favorecida circunstancialmente, subjugar a outra. Normalmente é um pequeno grupo dominando grandes massas. Pequenos grupos pensantes sobre grandes levas de pessoas acéfalas. A ameaça e a intimidação e até mesmo a agressão física têm se constituído instrumentos eficazes de dominação. No entanto, a tentação e a dissuasão psicológica existem desde tempos remotos.

Uma tradicional oração cristã acerta na mosca quando diz “livrai-nos das tentações”. A tentação é uma das formas mais eficazes de subsunção e domínio. Ulisses, na Odisseia de Homero, só conseguiu transpor a Ilha das Sereias, porque tapou o ouvido de seus marinheiros com cera e exigiu que ele próprio fosse amarrado ao mastro do navio, com ordem de não ser solto, mesmo que viesse a exigir a soltura. E de fato Ulisses, ao ouvir o canto mavioso das tais sereias, exigiu que o soltassem. Mas os marinheiros, de ouvidos tapados, não ouviram seus clamores.  Continuaram remando e assim a embarcação não se espatifou na pedreira, que era para onde a tentação das sereias atraia os navegantes.

No filme “Vida de Insetos” (supostamente infantil), em que há várias conotações da relação dominantes X dominados, há uma cena antológica em que uma mariposa grita para outra: “resista, resista, não olhe para a luz!” A mariposa que cedeu à tentação foi atraída pelas chamas e morreu chamuscada. A mariposa mais bem pensante saiu-se ilesa.

O domínio pela força de um grupo exercida sobre outro vem perdendo espaço nas sociedades contemporâneas. O hard power dos antigos vem sendo gradativamente sendo substituído pelo soft Power. Hoje é muito mais com jeito do que com força. Muito mais tentação do que imposição.

Se formos olhar, com as devidas licenças poéticas (ou com os mutatis mutandis dos latinos e dos rábulas), nós, brasileiros do século 21, não seríamos muito menos escravizados do que o povo de Judá, ao reino da Babilônia, por volta do século 6 antes de Cristo. Mas hoje a nossa escravidão é exercida sem o uso de funda, flecha ou arma de fogo. Tudo na base da estratégia, da tentação e do convencimento. Penso que hoje existem três elementos que sobressaem na vida cotidiana a nos manter no cativeiro, sem reclamar: 1) a lábia dos políticos; 2) a tentação do consumo (por desejo e não por necessidade); e  3) a telemática (informática, telefonia, videofonia, redes sociais e todos os engenhos que brotam em profusão). A telemática pode parecer um instrumento assessório das duas primeiras categorias. Mas na verdade, em razão de sua pujança, ela assume a condição de uma categoria autônoma.

Os políticos, com seu marketing estupefaciente, conseguem fazer com que repassemos a eles a maior parte da força de nosso trabalho, com retorno reles. Segundo alguns tributaristas, 73% do ganho de nosso trabalho vão para o Estado. Ou seja, para um grupo que tem a expertise de conquistar e se manter no poder, sem que contra isso rebelemos.

A tentação do consumo, esse desejo que nos faz consumir não para viver, mas viver para consumir; a razão que nos leva a comprar uma roupa não para nos agasalhar, mas para humilhar o próximo que não pode ter uma roupa de grife, nos corrói as fibras do coração e boa parte de nossa alegria de viver sem malícia. Não somos nós que escolhemos as marcas; mas as marcas que nos escolhem. E ainda achamos bonito que isso seja chamado de “liberdade de escolha”.

O tempo livre, que nos sobrara dessas duas pragas, veio a telemática e nos roubou. Toda a parafernália eletrônica que compõe a vida contemporânea acabou por nos surrupiar os instantes de lazer e liberdade de que dispúnhamos. Os laptops, os iphones, os ipads, os celulares, as redes sociais não nos dão sossego nem para dormir. Um aparelhozinho dá um trinado e a gente acorda no meio da noite e levanta para ver de que ordem é a última mensagem. Não há tempo para o filho, para o cônjuge, para os amigos.

Os capitães dessa indústria converteram o resíduo de liberdade  de que dispúnhamos em faturamento. Cada mensagem é um cisco de dólar que cai na conta de algum nerd do Vale do Silício. É como os banqueiros da Idade Moderna (na época da Renascença) que toda moeda de ouro que passava por seus cofres era lixada cuidadosamente e pequenas partes de ouro em pó passavam a fazer partes de suas fortunas.

Estão lixando a nossa alma para ampliar a fortuna dos magnatas contemporâneos. Para nós das massas, fazer sucesso nessas condições é como o antigo Zedequias da Bíblia que se sentiu bestamente envaidecido com a sua nomeação de “Rei Vassalo dos judeus na Babilônia”.  O cativeiro da Babilônia é aqui e agora.”
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: