Crises existenciais de origem duvidosa



Eberth Vêncio, RevistaBula


Você ainda precisará de mim, você ainda me alimentará quando eu tiver sessenta e quatro?
(“When I’m sixty-four”, Lennon e McCartney)


Literatura, facebook, salão de beleza e mesa de bar não são divãs, eu sei, todo mundo já disse. Mas — ditas, escritas, pronunciadas com puro sentimento — as palavras jamais serão em vão, mesmo que elas, eventualmente, de tão ruins, se prestem a todo esquecimento.

Ultimamente — peso da idade? — tenho enxergado a vida como se estivesse dentro de um tudo de ensaio (ela, a vida, no interior do observatório). Eu, do lado de fora, atento, há tempos, há tantos desencontros, os meus, os dos outros, muito mais apegado a eles do que sequer eu desejasse.

Crises existenciais, crises renais, crises no Oriente Médio, visitas de gente chata, notificações da Receita Federal… São coisas que acontecem com qualquer um. E, sendo eu mais um escriba qualquer a dissecar os misteriosos intestinos do viver, deparei-me com certas dúvidas existenciais de origem duvidosa, porquanto não sabia se minhas, suas ou dos outros.

O hipotético emaranhado de questiúnculas a seguir bem servirá, por exemplo, à sagacidade e observância dos escritores de livros de autoajuda se, por acaso, eles aqui comparecerem. Esses literatos gurus estão sempre dispostos a alimentarem com conselhos e exemplos que deram certo os seus leitores, cuja sede de respostas é insaciável. Tropecem, pois, os seus olhos nas pedras desse prolixo texto. Controlem o ímpeto, contudo: não o lancem pro lixo assim à primeira vista.

Não se trata de palpite, mas pura constatação científica (li tudo na Reader’s Digest): um mentecapto sequer desconfia que a fabulosa trama da sua vida seja, no máximo, uma fábula, um viés por demais inverossímil aos seus pares denominados “seres humanos normais”. Não tenho medo de barata, de escuro, de um escarro tísico, porém, o risco de enlouquecer e sair por aí recitando as verdades que todo mundo gostaria de não ouvir me amedronta pra caramba.
Pelo menos uma vez nesta crônica, seja sincero comigo, leitor: você realmente me contaria — mais do que isso, você se dignaria a me advertir, com todas as letras, com celeridade, sem celeuma e sem pena — se eu estivesse ficando louco?

Aproveitando o ensejo, a sua atenção, a sua boa vontade, a ociosidade do momento, a sua capacidade de enxergar e pensar (aleluia, irmão!), eu insisto com mais questionamentos ultrapertinentes: seria besta supor que com poesia se mudasse o mundo? Por que, na hora agá, na hora do vamo-vê, na hora que o filho chora e mãe não escuta, na hora em que a porca torce o rabo, ninguém dá crédito aos poetas?

A mando de quem, aliás, na maior parte do tempo, leva-se uma vida tão ordinária com metas pela metade?

A grandiloquência de um teólogo removeria a montanha mágica de incredulidade de um escritor agnóstico? Toma, man!

Seria ilícito não pagar a cartomante simpática, gorda, sorridente, com sotaque cigano, se, na sua mão (na mão dela, eu quis dizer) fosse eu uma carta fora do baralho?

Vaga-lumes inflamáveis recrutados na escuridão do dia se sujeitariam a aquecer a marmita fria de um amor que se acabou? Se a gasolina acaba, o amor também acaba, ora e essa! Não são ambos combustível?

E se a lua abandonasse um poema, deixaria de ser lua, deixaria de ser rima, para ser apenas astro?

E se eu saísse no rastro da tal mulher de rua que desse expediente numa esquina onde o vento fizesse a curva? Toda curva é uma rota? Todo espécie de amor vale a pena? A vida é dura ou o cancro é que é mole?

O que dizer, então — o que esperar, melhor dizendo — das suas coirmãs, as chamadas mulheres de vida fácil, viciadas nos caminhos mais difíceis? No desentendimento delas, enquanto conversam com os espelhos, todos os caminhos levam a Roma ou ao amor? A dúvida é puro reflexo de humanidade, é muito mais do que as letras simplesmente invertidas.

Um balde de água fria já estava previsto naquele chá de panela?

Do ponto de vista semântico, a solidão a dois não parece inconcebível demais?

Que tal se os casais ouvissem com atenção o que têm a dizer os pinguins de geladeira? Advertência aos insolentes souvenires de louça: que eles não mantenham os seus silêncios. Nada a declarar também é fuga.

Dar sobrevida a um amor que ainda respira com o auxílio dos aparelhos de artimanhas, até que a morte os separe, seria uma espécie de boicote infrutífero à eutanásia?

Porquinhos da Índia também estariam em extinção tal e qual o diálogo dentro de casa?

Se ela recitasse — com cem por cento de acerto — “três pratos de trigo para três tigres tristes” você contava logo a ela que não a ama mais, sem travar a sua língua?

Além dos tais três tigres, seria também deveras triste acompanhar um grande amor morrendo à mingua?

Por que, então, ficar contando com quantos paus se faz a canoa de um amor naufragado?

Frente às corriqueiras situações de desalento e desespero que afligem a todos nós, todo santo dia, de forma individual ou coletiva, a quem debitar a culpa pelas tragédias anunciadas: ao iceberg ou ao Titanic?”
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: