A fábrica de boatos da internet e a história por trás da morte de Pelé anunciada pela CNN

, Diário do Centro do Mundo

Pelé ainda está vivo (Mark Twain um dia disse que as notícias a respeito de sua morte “eram bastante exageradas”), mas não para o jornalismo da CNN, a maior rede de notícias internacionais do planeta.

Dias depois de dois repórteres serem presos tentando invadir o terreno do novo World Trade Center, a conta no Twitter do programa matinal New Day, uma bobagem em que várias pessoas falam muito em torno de uma bancada, anunciou o falecimento de Edson Arantes do Nascimento.

“Ex-jogador de futebol brasileiro Pelé morre aos 74”, dizia o post. Diante da surpresa generalizada, uma correspondente no Brasil fez o que deveria ter feito antes de dar a notícia: checou os representantes do craque.

O tuíte foi apagado e uma correção foi publicada: “O assessor de Pelé diz à CNN que ele está vivo e muito bem”.

Virou piada no mundo inteiro. O rei do futebol estava viajando para Nova York a negócios. A CNN, um dia considerada “o nome mais confiável” da TV, ganhou um lema: “declare a morte primeiro, cheque com o relações públicas depois”. Fora tudo, Pelé tem 73 anos.

E de onde veio a história?

Do Facebook.

Alguém criou uma página chamada R.I.P. Pelé e escreveu: “Às cerca de 11 horas da manhã, no quarta-feira (26 de março de 2014), nosso querido Pelé faleceu. Pelé nasceu em 23 de outubro de 1940 em Três Corações. Sentiremos sua falta, mas ele não será esquecido. Por favor, mostre seus pêsames e condolências comentando e curtindo esta página”. Fãs imediatamente compartilharam a “notícia” e passaram a registrar mensagens de pêsames.

A internet já matou Oprah Winfrey (suicídio), Céline Dion, Adam Sandler (acidente de snowboard), Miley Cyrus (suicídio causado por estresse pós-traumático), Justin Bieber (acidente de carro), Sylvester Stallone e Renato Aragão, entre outros.

Em dezembro, numa reportagem da própria CNN sobre esse tipo de boatos na net, o apresentador do programa “Fontes Confiáveis” Brian Stelter deu a receita para não pagar mico. “Às vezes, nós queremos acreditar que essa histórias sejam verdadeiras. E nós esquecemos, talvez, da primeira grande regra — creia, mas verifique. Faça uma checagem primeiro”.
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: