E se o amor pegar você, a culpa é sua

, Revista Bula

"Cuidado. Quando você menos espera, ele vem e acerta você em cheio. Acontece do nada, sem aviso, a cada um de nós. De repente, uma avalanche desaba sobre a sua cabeça. É bom você se preparar. Depois, quando acontecer, não reclame.

Sim, porque se o amor pegar você de jeito, a culpa será toda sua. Quem mandou abrir o coração por aí? Uma hora vem alguém e entra.

Agora mesmo, em algum lugar insuspeitado há pessoas organizando passeatas, manifestações, protestos para bagunçar a ordem sisuda das coisas e esparramar amor pelas ruas. Gente movida pela ideia fixa de suavizar esse mundo duro com mais apreço pelos outros, mais compreensão, carinho, respeito. Coisas que, você sabe, não passam de amor com outros nomes. Amor disfarçado, amor com heterônimo.

O amor está por aí, à espreita. Esperando uma chance de dar o bote. Quem não quiser ser atingido, que saia da linha de tiro dos cupidos. E eles estão mais famintos que nunca, disparando suas flechas francamente contra tudo, contra todos.

Ali na esquina, agorinha ainda, aconteceu de novo. E foi aos olhos do dia. Uma moça, coitada, foi roubada na cara dura. Roubaram-lhe dois beijos e tomaram seu coração de assalto.

E o bando que varreu as praias promovendo um arrastão de amor louco e desmedido, então? Verdadeiro absurdo. Hordas de pessoas apaixonadas pela vida voltaram em paz para suas casas, cumprimentando-se e sorrindo umas às outras, recolhendo do chão todo e qualquer entulho. Papel amassado, latas de cerveja, bitucas de cigarro foram conduzidas pacificamente aos cestos lotados de lixo. Um amor limpo e generoso se apossou do coração de toda gente e transformou suas atitudes, tamanha a voracidade desse sentimento poderoso.

Acontece que esse amor extravagante, contagioso, vem sempre com sintomas estranhos, desejo de fazer bem aos outros, cantorias desmedidas, sentimentos adocicados e uma ternura frágil pela vida, escorrendo continuamente como a coriza de um resfriado.

Contra esse mal, todo cuidado é pouco. Para evitar que isso se estenda e faça novas vítimas, lave frequentemente as mãos com água e sabão, jogue fora DVDs de música romântica, livros de poesia e outros artigos descartáveis, evite locais cheios de pessoas, suspenda viagens para lugares paradisíacos e nunca, nunca compartilhe copos, talheres e postagens amorosas nas redes sociais.

Defenda-se. Salve sua vida, preserve sua sanidade. Ao menor sinal de afeto, procure ajuda médica."

Fotografia: Michael Wheat
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: