A felicidade é uma coisa foda


, Revista Bula

Felicidade é ir ao estádio e não ser atingido na cabeça por um vaso sanitário arremessado por um fanático de merda.

Felicidade é não comemorar gols de letra com uma torcida burra.

Felicidade é vestir o manto sagrado do time, mesmo sendo ateu.

Felicidade é sentar no chão da sala e brincar coisas de criança aos 48 anos de idade.

Felicidade é dizer toda a verdade mesmo sem estar bêbado.

Felicidade é mentir para o filho que a vida será para sempre boa.

Felicidade é cantar “I’m singing in the rain” no chuveiro.

Felicidade é ter alguém que lhe ensaboe as costas.

Felicidade é voltar a sonhar que, de repente, você está completamente nu, em plena sala de aula, sem que ninguém tenha percebido ainda.

Felicidade é conseguir tirar as roupas de alguém utilizando apenas os olhos.

Felicidade é ser despido ao som de “Slave to love”, do Bryan Ferry.

Felicidade é criar: voar sem asas

Felicidade é manter um sonho vivo sem a ajuda de aparelhos.

Felicidade é passar em frente uma construção e ser ovacionada pelos operários.

Felicidade é assobiar canções de amor depois de ter arrancado os sisos com um dentista.

Felicidade é permitir que uma paisagem o anestesie.

Felicidade é contar com a música para ir tocando em frente.

Felicidade é contar dinheiro, mas, nada que se compare a contar quantas vezes o mar quebra na praia durante o crepúsculo.

Felicidade é malhar o músculo, ouvir Dorival Caymmi e operar a fimose.

Felicidade é gozar a lua de mel todinha, ainda que se seja diabético.

Felicidade é ter o privilégio de adoçar o café de um político ético. Ou seja:

felicidade é se deparar numa esquina com um ornitorrinco albino e bilíngue.

Felicidade é receber um beijo de língua da boca da noite.

Felicidade é poder votar livremente.

Felicidade é poder devotar a si mesmo toda a falta de fé que se sente.
Felicidade é foda.

Felicidade pode ser pra você e não pra mim.

Felicidade é jamais matar um homem, nem por força da lei.

Pode parecer redundância mas, felicidade é um casamento gay.

Puta que o pariu! Felicidade é um parto normal bem sucedido.

Felicidade é um torturador que se aposenta.

Felicidade é a marmita que esquenta.

Felicidade é quando um tirano morre.

Felicidade é o renascer da esperança.

Felicidade é quando a história castiga os insanos para sempre.

Felicidade é tomar o primeiro chope após sair da UTI.

Felicidade é evaporar um tumor.

Felicidade é decifrar a caligrafia de uma receita médica.

Felicidade é quando o doutor lembra o seu nome.

Felicidade é deitar e rolar no passeio público.

Felicidade é cagar e andar para o que pensam da gente.

Felicidade é voltar a cagar, é voltar a andar, é estar por aí, vivo e aceso.

Felicidade é sobreviver ao peso de um chatíssimo clássico da literatura mundial que alguém lhe indicou.

Felicidade é chorar para as amigas durante a happy-hour.

Felicidade é calar a dor no colo da mãe.

Felicidade é um pobre poeta ser premiado, de repente, com uma rima rica.
Felicidade é aprender a beijar com as primas.

Felicidade é enterrar velhos ressentimentos.

Felicidade é incerta, é contar com uma coberta numa noite fria.

Felicidade é momento, varia.

Felicidade pode ser uma dose de cicuta no cálix bento."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: