Porque fetiche não se discute


, DCM

"Acontece que a hipocrisia humana não conhece nem mesmo os limites sexuais. Pensei sobre isso outro dia, quando ouvi um diálogo – no mínimo – revoltante. “Eu já fiquei com mulheres.” “Sério? (cara de babaca assustado)”. “Sério. Você não curte?” Curto, mas só com as vagabundas. Você é minha namorada.” Não preciso nem dizer que, a partir de então, ela não era mais a namorada dele.

É lamentável, mas muitas pessoas – muitas mesmo – ainda cultivam talvez o preconceito mais incompreensível de todos: o preconceito sexual.
Gente como o ex-namorado babaca da minha amiga. Gente que vê gang bang na internet mas discrimina swingers, que tem preconceito com lésbicas mas ainda acha que precisam de um pau entre elas. “Não curto, mas se eu puder participar…”  Gente que faz um sexo idiota e limpinho e vai dormir a ponto de explodir de tesão, sonhando com a putaria louca que, na verdade, queria ter feito. Gente que arregala os olhos cheios de preconceito ao ouvir o fetiche alheio, enquanto guarda o seu bem escondido – afinal, o que é que vão pensar?

Acontece que fetiche não se discute. Não se dosa, não se controla, como fazem o sex shop e a indústria pornográfica, ao tentarem de convencer que o que te leva ao auge da excitação é uma cinta liga vermelha e bem lavada. Talvez seja, tudo é possível. Mas é muito mais provável que, se você procurar bem, seja um ménage, uma chuva dourada ou outra coisa inimaginável que só você conhece.

Não dá pra dizer que o fetiche alheio é nojento, esquisito ou bizarro – ou dá, vai ver é mesmo. Mas e daí? Costumo dizer que todo fetiche pode te libertar ou te enclausurar, a depender de como você lide com ele.

Do mesmo modo, é preciso respeitar o fetiche do outro – especialmente do seu parceiro. Aliás, se o seu parceiro não tem fetiche, desconfie – ele provavelmente tem, mas não quer dividir com você. E se não quer dividir, tem alguma coisa muito errada entre vocês. Pessoas que compartilham sexo têm que compartilhar por completo – aceitar o outro com tudo que vem junto, seja um fio terra ou um simples drive in. Isso não significa uma obrigação absoluta de sair por aí fazendo tudo o que o outro quer. Fetiche é uma coisa tão intrínseca que talvez nem Freud explique, ainda menos essa humilde colunista que vos fala (que, afinal, é aprendiz de tudo nessa vida, inclusive de fetiches).

Isso significa – tão somente – dividir os seus desejos com a (s) pessoa (s) que você escolheu para realizá-los. É natural que você queira escondê-los quando tudo te emite sinais de que isso é nojento e estranho. Estranho pode até ser, a depender do ponto de vista. Mas é humano, instintivo, e até irrepreensível – porque nasceu com você. Você não precisou ir ao sex shop comprar a vontade de praticar voyeur, como comprou aquela sua fantasia de coelhinho.

Mas nojento, não. O tesão que um bom fetiche proporciona – acredite – elimina qualquer sensação de nojo, repulsa, e até de dor (os sadistas que o digam). É o seu espírito e a sua mente compactuando com os tais ‘prazeres da carne’ e te dizendo que não tem nada de errado com seus fluidos, seu suor, suas caras, suas bocas. Então, ao invés de entrar em crise com aquele seu fetiche incomum, obedeça os seus desejos – eles sabem o que fazem."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: