Há quem vai, há quem fica. Assim recomeçamos


Rebeca Bedone, Revista Bula

"Pronto, já passou o Natal. Reunimos a família e os amigos, fizemos ceia e trocamos presentes. Tivemos festa, amamos e choramos de emoção ou de saudade. Dançamos, cantamos, brindamos e até ignoramos um conflito antigo porque o clima era de confraternização. Mas agora está acabando e chega aquele momento silencioso de quando se iniciam as despedidas.

Há quem vai ficar até depois da virada do ano, mas muitas pessoas já estão de partida. Os aeroportos estão cheios de filhas abraçadas aos seus pais e elas choram porque já sentem saudade antes de embarcar. O pai consola filha e depois se emociona quando beija o seu netinho, pois sabe que os deixará partir. Toda família unida que se ama à distância conhece o vazio doloroso do adeus.

As rodoviárias estão lotadas de pessoas que vieram de tão longe. Irmãos se despedem emocionados depois de terem passado dias relembrando a infância, tomando leite na mesma caneca que tomavam quando eram pequenos na casa dos pais, e partem com suas malas cheias de presentes, amor e saudade.

Os carros já estão se espalhando pelas estradas afora. Levam aqueles que já se despediram e foram passar o Ano Novo com amigos ou com a outra parte da família.

Passou tudo tão rápido. Esperamos com ansiedade e carinho para estarmos juntos dessas pessoas e, de repente, estamos dizendo até mais ou até o ano que vem. E, então, estamos sempre nos despedindo daqueles que amamos.

Daqui a pouco desmontaremos a árvore de Natal, recolheremos enfeites e devolveremos às caixas as nossas lembranças. Mas a cada bola encaixotada para ser guardada, guardamos também os sorrisos que tivemos e os abraços que nos demos. As pessoas partem, mas as suas marcas ficam.

É nessas horas que aprendemos a partir de nós mesmos. Deixamos para trás inveja, intolerância e rancor que não nos colocam em movimento. Levamos somente uma mala leve de coragem, paciência e fé para a plataforma de embarque do trem de nossas vidas.

Enquanto esperamos o próximo ano chegar, olhamos esse ano partir. Nos despedimos do vagão que leva nossos sonhos perdidos, enquanto outro leva as pessoas que não ficaram. Há também o vagão da saudade boa, onde estão nossas lembranças felizes. Tem vagão que vai vazio como tem aqueles cheios de ideias e planos realizados. Há a esperança que saltará nas próximas estações para voltar no trem que está chegando, trazendo energia e paz para recomeçarmos a viagem.

E ao voltarmos para casa no trem do novo ano já não encontraremos mais a magia do Natal. É que já nos despedimos para começarmos tudo outra vez.

Feliz Ano Novo! E boa viagem!"

Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: