Marvel tem 'ressurreição vingadora' com Homem de Ferro e seus amigos

A febre dos super-heróis ajudou a Marvel a sair de um purgartório financeiro
"Há 15 anos, o grupo de entretenimento Marvel quase foi à falência. Nesta semana, ela pode ver seus filmes ultrapassarem Harry Potter como a mais lucrativa franquia de cinema da história.

Da BBC

Vingadores 2: A Era de Ultron é o 11º filme da Marvel Cinematic Universe. Estreou na Europa e no Brasil nesta quinta-feira, uma semana antes dos Estados Unidos.

Se as previsões se confirmarem, o novo filme se tornará o terceiro da série a arrecadar pelo menos US$ 1 bilhão nas bilheterias, o que colocaria Marvel à frente dos oito filmes do bruxinho Harry Potter, que renderam US$ 7,7 bilhões e de franquias como 007, Guerra nas Estrelas e Senhor dos Anéis.

Isso é uma grande virada de jogo para uma companhia que, além de quase ter fechado as portas, por décadas ocupou o segundo lugar na disputa com sua grande rival no mundo dos super-heróis, a DC Comics, dona de personagens como Super-Homem e Batman.

Depressão

A primeira aventura da Marvel a chegar nos cinemas foi Howard, O Super-Herói (1986) – um fracasso colossal de público e crítica, que tinha como subtrama um romance entre espécies.

Personagens mais promissores, como o Homem-Aranha e o Capitão América continuaram inexplorados.

"Muita gente pensou em fazer filmes da Marvel, mas os custos eram simplesmente muito altos", disse Sean Howe, autor do livro Marvel Comics: a História Não Contada.

"Certamente, antes de O Exterminador do Futuro 2 (1991), não havia tecnologia para fazer algo de forma convincente em termos de efeitos especiais", disse o autor.
 
Mas, no momento em que a tecnologia chegou a um estágio capaz de tornar os filmes de super-heróis viáveis (e críveis), a Marvel estava à beira da falência.

A Marvel já tem um portfólio de 11 filmes e sete séries televisivas
O mercado de revistas em quadrinhos sofreu uma queda acentuada no início dos anos 90 devido a um assombroso excesso de títulos e uma crise de confiança entre os colecionadores. As vendas caíram 70% e a Marvel acumulou dívidas. Ações que valiam US$ 35,75 caíram para US$ 2,38 em apenas três anos.

A empresa foi salva por uma fusão com a companhia de brinquedos ToyBiz – cujo chefe, Avi Arad, foi nomeado presidente da divisão de filmes da Marvel.
Arad analisou tentativas de licenciar filmes da Marvel na década de 1990 e tomou a decisão de que, no futuro, a empresa assumiria as tarefas de criar roteiros, contratar diretores e negociar com atores.

Depois, esse pacote seria vendido a um grande estúdio, que se encarregaria de filmagens e distribuição do produto.

A estratégia deu certo: a Fox, por exemplo, comprou os filmes dos X-Men; a Sony, os do Homem-Aranha. E a New Line comprou a trilogia Blade.

O problema é que a Marvel não se beneficiou muito dos lucros. Segundo um artigo da revista americana Slate, a companhia lucrou "míseros" US$ 25 mil com o primeiro filme Blade e, dos US$ 3 bilhões arrecadados com os filmes Homem-Aranha 1 e 2, a Marvel só ficou com US$ 62 milhões.

Para piorar, enquanto Hollywood embarcava na moda dos super-heróis, filmes baseados nas histórias de personagens como Elektra, Justiceiro e Demolidor tiveram recepção comercial e crítica decepcionantes. Foi aí que a companhia decidiu fazer seus próprios filmes.

Conta própria

Avi Arad e seu então chefe de operações, David Maisel, foram a Wall Street levantar fundos para um estúdio independente. A ideia era fazer filmes sobre personagens ainda não licenciados para ninguém – a começar pelo Homem de Ferro.

Howe afirmou que a empresa deu como garantia aos investidores os direitos sobre os personagens, caso os filmes não fizessem sucesso.

Graças a Robert Downey Jr. "Homem de Ferro" alavancou uma indústria bilionária
Mas Homem de Ferro não foi um desastre: o filme encantou fãs e críticos graças à irreverência de Robert Downey Jr no papel-título.

Esse tom alegre serviu de modelo para o "novo" universo cinematográfico da Marvel – onde personagem e comédia recebem ênfases iguais.

A aparição de Samuel L. Jackson no papel do agente secreto Nick Fury depois da exibição dos créditos de Homem de Ferro indicou a possibilidade de um primeiro filme dos Vingadores.

"Você pensa que é o único super-herói no mundo?", pergunta Fury ao iniciar o processo de construção do super grupo de heróis.

"Sr. Stark, o senhor se tornou parte de um universo maior".

Este universo, além dos 11 filmes, tem sete séries de TV e mais uma penca de filmes planejados até 2020. Todos alinhavados, com um arco narrativo criado por um time de produtores liderado por Kevin Feige.

"Logisticamente, é um milagre que tenhamos conseguido", diz Downey Jr.
Mas Howe avisa que a história de sucesso da Marvel também traz avisos para o futuro.
"Essa bola de neve narrativa pode ficar grande demais. Isso já aconteceu nos quadrinhos: as tramas ficam intrincadas demais e desestimulam os novos fãs".
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: