50 frases de Drummond para carregar no bolso

Ademir Luiz, Revista Bula

A vida do poeta interplanetário Carlos Drummond de Andrade, nascido sob a proteção de um anjo torto na cidadezinha mineira de Itabira, de besta não teve nada. Além de ter colocado uma pedra no caminho (e no sapato) de muitos poetas municipais (e de bairro) Brasil afora, Drummond foi contista, cronista e um frasista de abalar a máquina do mundo. A Revista Bula selecionou 50 das mais belas, instigantes e provocadoras frases do mestre. Frases que podem ser levadas no bolso, na bolsa, na carteira, tatuadas ou escritas com esferográficas na mão, para serem lidas e relidas. E agora, José, qual frase você escolhe?

 Tudo é possível, só eu impossível.

Há certo gosto em pensar sozinho. É ato individual, como nascer e morrer.

Precisamos educar o Brasil.

Meu verso é minha cachaça. Todo mundo tem sua cachaça.

Podemos beber honradamente nossa cerveja.

Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.

O difícil, o extraordinário, não é fazer mil gols como Pelé. É fazer um gol como Pelé.

A liberdade é defendida com discursos e atacada com metralhadoras.

A minha vontade é forte, porém minha disposição de obedecer-lhe é fraca.

Crimes suaves, que ajudam a viver…

O povo toma pileques de ilusão com futebol e carnaval. São estas as suas duas fontes de sonho.

Tristeza de ver a tarde cair como cai uma folha.

Se meu verso não deu certo, foi seu ouvido que entortou.

Há muitas razões para duvidar e uma só para crer.

Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo.

No adultério há pelo menos três pessoas que se enganam.

Como as plantas a amizade não deve ser muito nem pouco regada.

As dificuldades são o aço estrutural que entra na construção do caráter.

Os que amam sem amor não terão o reino dos céus.

Depressa, que o amor não pode esperar!

O cofre do banco contém apenas dinheiro; frustra-se quem pensar que lá encontrará riqueza.

Não é fácil ter paciência diante dos que têm excesso de paciência.

Meu verso é minha consolação.

Stop. A vida parou ou foi o automóvel?

A terra não sofreu para dar essas flores.

Ora afinal a vida é um bruto romance e nós vivemos folhetins sem o saber.

Deus me abandonou no meio de uma orgia, entre uma baiana e uma egípcia.

E o amor sempre nessa toada: briga perdoa briga perdoa.

Não se deve xingar a vida, a gente vive, depois esquece.

Os homens são como as moedas; devemos tomá-los pelo seu valor, seja qual for o seu cunho.

 Necessitamos sempre de ambicionar alguma coisa que, alcançada, não nos torna sem ambição.

A educação para o sofrimento, evitaria senti-lo, em relação a casos que não o merecem.

Sexo, esse minúsculo ponto feminino, em torno do qual gira a máquina do mundo.

O amor no escuro, não, no claro, é sempre triste, meu filho.

O fato ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter o transforma em notícia.

Há vários motivos para não se amar uma pessoa e um só para amá-la.

Falam por mim os que estavam sujos de tristeza e feroz desgosto de tudo, que entraram no cinema com a aflição de ratos fugindo da vida, são duas horas de anestesia, ouçamos um pouco de música, visitemos no escuro as imagens — e te descobriram e salvaram-se.

A poesia é incomunicável.

Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força jamais o resgata…

Os homens distinguem-se pelo que fazem, as mulheres pelo que levam os homens a fazer.

Os desiludidos seguem iludidos, sem coração, sem tripas, sem amor.

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.

A amizade é um meio de nos isolarmos da humanidade cultivando algumas pessoas.

Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.

Só é lutador quem sabe lutar consigo mesmo.

Que o poeta nos encaminhe e nos proteja.

 Em vão assassinaram a poesia nos livros.

A soma da vida é nula.

E eu não sabia que minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé.

Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade."
Enviar Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: